Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

O destino de Júpiter

oscar1

Júpiter Ascending (O Destino de Júpiter, na Espanha e na América Latina) é um filme de ficção científica escrito, produzido e dirigido pelos irmãos Wachowski. Ambientada em um futuro distante, o filme gira em torno de uma zeladora humilde (Mila Kunis), que descobre que tem um grande destino genético.

Outro produtor do filme é Grant Hill, que produziu dois filmes anteriores dos irmãos Wachowski, Speed Racer e Cloud Atlas.

Sinopse:

Jupiter Jones é uma imigrante russa muito pobre que limpa banheiros para viver. Encontra Caine, um guerreiro interplanetário a quem a Rainha do Universo envia para matá-la, mas eles se apaixonam. Caine diz para Júpiter que as estrelas apontavam para um evento extraordinário, na noite em que nasceu, e que seu DNA poderia apontá-la como a próxima líder do universo.

Elenco:

Mila Kunis como Jupiter Jones, uma zeladora que tem “a mesma estrutura genética perfeita da Rainha do Universo” e que representa uma ameaça ao seu governo.

Channing Tatum como Caine, um caçador, ex militar, geneticamente modificado.

Sean Bean como Stinger, um personagem semelhante Han Solo.

Eddie Redmayne

Douglas Booth

Tuppence Middleton

Doona Bae

James D’Arcy

Tim Pigott-Smith

kick Gurry

David Ajala como Ibis, o líder dos caçadores cibernético que perseguem Júpiter e Caine.

Produção:

Filmagens:

O filme é co-produzido pela Warner Bros Pictures e Village Roadshow Pictures. Roberto Malerba e Bruce Berman são os produtores executivos.

A fotografia principal começou na Warner Bros Studios, Leavesden, em 2 de Abril de 2013. Produção permaneceria no estúdio de Londres até junho e, em seguida, foi para Chicago, Illinois, para a conclusão.

As filmagens também ocorreram na Catedral de Ely, Inglaterra.

Música:

A música do filme foi composta por Michael Giacchino, que também esteve no filme de 2008 dos irmãos Wachowski, Speed Racer.

Lançamento:

O filme estava previsto para estrear em 25 de julho de 2.014 mas, provavelmente será lançado em agosto.

Título: O Destino de Júpiter

(España y Latinoamérica)

Ficha técnica

Dirección

Irmãos Wachowski

Producción:

Irmãos Wachowski

Grant Hill

Música Michael Giacchino

Fotografía: John Toll

Montagem: Alexander Berner

Estrelando:

Mila Kunis

Channing Tatum

Sean Bean

Eddie Redmayne

Douglas Booth

Tuppence Middleton

Bae Doona

James D’Arcy

Tim Pigott-Smith

Dados y cifras

País(es):

Reino Unido

Estados Unidos

Australia

Año: 2014

Estreia provável: 25 de julho de 2014

Género: Ficção Científica

Idioma(s) – Inglês

Distribuição:

Warner Bros. Pictures

Village Roadshow Pictures

Estudio:

Warner Bros. Pictures

Village Roadshow Pictures

Fonte: Wikipedia

Lucy

Get on up

Blended

Jersey boys

The signal

Transformers – A era da extinção

Million dollar arm

The amazing spider man

Walk of shame

The love punch

Brick mansions

Cinema 2.014 – Noé

Perfect sisters

In the blood

Earth to echo

A long way down

Better living through chemistry

Sabotage

Bad country

Bad Words

Inatividade Paranormal 

Divergente

Invertigo

Endless love

Welcome to Yesterday

After the Dark – Depois do Apocalipse

A arte do roubo

The legend of Hercules

Mindscape – Filmes 2.014

Capitão América – Soldado Invernal

Stallone – Ajuste de contas

Maze runner – Correr ou morrer

Need for speed

Refém da paixão

O sétimo filho

Os mercenários 3

A menina que roubava livros

Map to the Stars

Before I Go to Sleep

Planeta dos macacos 2.014

300 – Rise of an Empire

X-men – Dias de um futuro esquecido

Robocop 2.014

Mad Max 4

Sin City 2 – Dame to Kill For

Avatar 2 – Notícias

Capitão América – Soldado Invernal

Interstellar – Curiosidades do filme

Enemies closer

Pompéia

Vampires Academy – Irmãs de sangue

3 Days to Kill

Nom Stop – Sem escalas

Under the skin

Cinema 2.014 – Oculus

 

maio 12, 2014 Posted by | Cinema | , , , , | 18 Comentários

Influências do destino manifesto

império americano

Influências Imperialistas

O historiador William E. Weeks observou que três temas-chave foram frequentemente abordados pelos defensores do destino manifesto:

a) a virtude do povo americano e as suas instituições;

b) a missão de difundir essas instituições e assim refazer o mundo à imagem dos Estados Unidos;

c) o destino em Deus para fazer este trabalho.

A origem do primeiro tema, mais tarde conhecido como excepcionalismo americano, foi muitas vezes atribuída a herança cultural da América puritana, particularmente no famoso John Winthrop de “Cidade sobre o Monte”, sermão de 1630, em que ele faz um chamado para o estabelecimento de uma comunidade virtuosa que seria um brilhante exemplo para o Velho Mundo. Em seu influente panfleto de 1.776, “Senso Comum”, Thomas Paine cita esse conceito, argumentando que a Revolução Americana foi uma oportunidade para criar uma nova sociedade, melhor:

Temos em nosso poder a chance de começar o mundo novamente. A situação, semelhante ao presente, não ocorre desde os dias de Noé. O nascimento de um novo mundo está na mão…

Muitos norte-americanos concordaram com Paine, e chegaram a acreditar que a virtude dos Estados Unidos fora o resultado de sua experiência excepcional na liberdade e na democracia. Thomas Jefferson, em uma carta a James Monroe, escreveu que “é impossível não olhar para a frente a tempos distantes quando a nossa multiplicação rápida expandiria-se para além desses limites, e cobriria todo o norte, se não até o sul do continente”. Para os americanos nas décadas que se seguiram, a sua proclamação de liberdade para a humanidade, consubstanciado na Declaração de Independência, só poderia ser descrito como a inauguração de “uma nova escala de tempo”, porque o mundo iria olhar para trás e definir a história de acordo com os eventos que ocorreram antes e depois da Declaração de Independência. Então os americanos deviam ao mundo a obrigação de expandir e preservar essas crenças.

A origem do segundo tema é menos precisa. A expressão popular da missão dos Estados Unidos foi elaborada pelo presidente Abraham Lincoln em sua mensagem ao Congresso, 01 de dezembro de 1862. Ele descreveu os Estados Unidos como “a última e melhor esperança da Terra. “A “missão” dos Estados Unidos foi mais elaborada durante o discurso de Lincoln em Gettysburg, no qual ele interpretou a Guerra Civil Como uma luta para determinar se qualquer nação com ideais democráticos poderia sobreviver, o que tem sido chamado pelo historiador Robert Johannsen de “a indicação mais duradoura da América sobre o Destino Manifesto e sua missão”.

O terceiro tema pode ser visto como uma conseqüência natural da crença de que Deus tinha uma influência direta na fundação e outras ações dos Estados Unidos. Clinton Rossiter, um estudioso, descreveu esta visualização como prova de “que Deus, na hora certa, preparava o caminho da história, convocando certas almas resistentes das antigas nações, cheias de privilégios… e que concederia sua graça. Ele também concederia uma responsabilidade peculiar”.

Os americanos imaginaram que eles eram não só eleitos por Deus para manter o continente norte-americano, mas também para “espalhar os princípios fundamentais enunciados na Declaração de Direitos”. Em muitos casos, isso significava colonizar os vizinhos participantes e os países eram vistos como obstáculos ao invés do destino que Deus havia fornecido aos Estados Unidos.

A análise de Faragher da polarização política entre o Partido Democrata e o Partido Whig é que:

“A maioria dos democratas eram partidários sinceros da expansão, ao passo que os whigs (especialmente no norte) se opuseram. Os Whigs acolheram a maior parte das mudanças provocadas pela industrialização, mas defenderam fortes políticas governamentais que orientariam o crescimento e desenvolvimento dentro dos limites existentes no país; Temiam (corretamente) que a expansão levantasse uma questão controversa a respeito da escravidão nos territórios americanos. Por outro lado, muitos democratas temiam a industrialização defendida pelos Whigs…

Para muitos democratas, a resposta para os males sociais do país era continuar a seguir a visão de Thomas Jefferson de estabelecer a agricultura nos novos territórios, a fim de contrabalançar a industrialização”.

Outra possível influência era a possível predominância racial, ou seja, a ideia de que a raça anglo-saxã americana era “separada, naturalmente superior” e “destinada a trazer um bom governo, a prosperidade comercial e o cristianismo para o continente americano e ao mundo. “Este ponto de vista também considerou que “raças inferiores estavam condenadas a condição subordinada ou extinção”. Isto foi usado para justificar “a escravização dos negros e da expulsão e possível extermínio dos índios”

Fonte: RT

A origem do imperialismo

Carta da independência dos EUA

Destino Manifesto – o início

março 5, 2014 Posted by | Política | , , , , , | Deixe um comentário

Destino manifesto – o início

imperialismo e expansionismo

Destino Manifesto

No século 19, Manifest Destiny era a crença amplamente difundida nos Estados Unidos, pela qual os colonos norte-americanos estariam destinados a se expandir por todo o continente. Historiadores, em sua maior parte, concordam que há basicamente três características para o Manifest Destiny:

a) As virtudes especiais do povo americano e as suas instituições;

b) A missão da América de resgatar e refazer o oeste à imagem da América agrária;

c) Um desejo irresistível de realizar essa tarefa essencial.

O historiador Frederick Merk diz que este conceito nasceu de “um senso de responsabilidade em resgatar o Velho Mundo pelo bom exemplo, gerado pelas potencialidades de uma nova terra para a criação de um novo paraíso”.

Os historiadores têm enfatizado que “Destino Manifesto” era um conceito muito contestado pelos americanos proeminentes (como Abraham Lincoln, Ulysses S. Grant, e a maioria dos Whigs) que o rejeitaram. O Historiador Daniel Walker Howe escreveu, “American imperialism did not represent an American consensus; it provoked bitter dissent within the national polity….[Whigs] saw America’s moral mission as one of democratic example rather than one of conquest.” Nationwide, probably most Democrats supported Manifest Destiny and most Whigs strongly opposed it. O historiador Daniel Walker Howe escreve: “O imperialismo americano não representam um consenso americano; ao invés disso provoca uma amarga dissidência dentro da política nacional…. Whigs viu uma necessidade moral dos Estados Unidos como um dos exemplos democráticos, em vez de um exemplo de conquista”, provavelmente a maioria dos democratas tenham apoiado o Manifest Destiny e a maioria dos Whigs foram fortemente contra.

O Manifest Destiny, veio do tom retórico até a maior aquisição de território dos EUA. Foi usado pelos democratas na década de 1840 para justificar a guerra com o México e também foi usado para dividir metade do Oregon contra a Grã-Bretanha. Mas o Manifest Destiny sempre foi criticado por causa de suas limitações internas e a questão da escravidão, diz Merk. Isso nunca chegou a ser uma prioridade nacional. Em 1843 John Quincy Adams, originalmente um dos principais defensores, havia mudado de idéia e passou a repudiar o Manifest Destiny porque significava a expansão da escravidão no Texas.

Merk conclui:

Desde o início o Manifest Destiny revelava-se como um grande projeto, em seu sentido de se expandir pelo continente, mas com pouco apoio. Faltou consenso nacional, ou quantidade de pessoas proporcional a sua magnitude. A razão era que ele não refletia o espírito nacional. A tese de que ele encarna o nacionalismo, encontrada em grande parte da literatura histórica, é apoiado por poucas evidências concretas.

Fonte: Wikipedia

Gestado – Choque de raças

Os 25 pontos chaves do racismo

Suástica – o símbolo obscuro do nazismo

Eugenia – Da genética ao nazismo

fevereiro 24, 2014 Posted by | Política | , , , , , , , , | 1 Comentário

É melhor investir no Brasil

investimento brasileiro

Sonho Brasileiro

Um homem havia chegado recentemente dos Estados Unidos, encontrou um amigo seu e perguntou?

 – Você sabe qual a cidade americana que tem mais brasileiros?

 – Chicago – Respondeu o amigo.

 – Não! Boston.

 – Os brasileiros saem do Brasil e continuam na mesma situação, lá nos EUA? – Perguntou o amigo.

 – Claro que não, lá nos Estados Unidos é muito melhor. Lá você tem liberdade, tem até uma estátua simbolizando a liberdade.

 – Lá nos EUA a gente pode contratar um bom advogado, matar a sogra e ficar apenas seis meses na cadeia?

 – Claro que não, nos EUA a lei é severa, quem mata vai preso. O país possui o maior número de presos do mundo.

 – Então não é o país mais livre do mundo. Aqui no Brasil, pode-se matar, roubar, estuprar, traficar, e não acontece nada, isso é que é liberdade.

 – Sim, mas os EUA é um país organizado. Suas estrada são pavimentadas, inclusive nas regiões desérticas – onde também há postos de combustíveis, escolas e hospitais – mostrando a importância da infra-estrutura.

 – Lá nos EUA é possível presentear a mulher e a sogra com uma passagem só de ida,  para a sibéria, enquanto ficamos de férias, desempregado, durante três meses, tomando uma geladinha, curtindo a praia e farreando com os amigos?

 – Não, você está louco! – lá a vadiagem é crime previsto na constituição, dá até cadeia.

 – Então você vai me desculpar, mas aqui no brasil é melhor. Aqui, você pode fazer o que bem entender, o povo já está acostumado com a bagunça, até os bandidos pararam de roubar, agora eles pedem – Se você não der o dinheiro, aí eles te assaltam e te agridem.

 – É, mas nos EUA há o “sonho americano”, onde você pode trabalhar e realizar seus sonhos. Sua família sempre será assistida, você pode ficar rico.

 – Bom, aí é discutível, pois aqui no Brasil, chamar alguém de rico é a maior ofensa do mundo. Com as altas taxas de juros e nosso sistema corrupto de governo, ficar rico só roubando.

O amigo continua – Aqui no Brasil, o sonho brasileiro de ficar rico só é possível se a pessoa se juntar a PPP, aí você pode ficar rico. Empreendedor no Brasil, é sócio minoritário do governo, para onde vai uma verdadeira fortuna, nem os pobres ficam fora dessa taxação criminosa.

O brasileiro recém chegado dos EUA, pensou, pensou e finalmente respondeu:

 – Sabe de uma coisa? – Eu estou pensando em me mudar para o Brasil.

 – Espere aí, mas você não ganha bem nos EUA? – espantou-se o amigo.

 – Ganhar eu ganho, mas pelo que você me falou, aqui no Brasil é possível ficar rico da noite para o dia: Causar um rombo de quatro bilhões de reais, com uma contabilidade fraudulenta; fazer financiamentos fraudulentos, sem precisar pagar, sabendo que os contribuintes mais pobres arcarão com as despesas; Comprar e vender sem nota; ganhar dinheiro atravessando produtos de um estado para o outro, sabendo que com a diferença de tributação vai gerar lucro; adulterar combustíveis ou vender produtos de má qualidade, na certeza de que as pessoas não tem dinheiro para comprar produtos de qualidade.

Isso é o sonho brasileiro (dos corruptos) – completou.

OBS: Apesar do texto de humor acima, o “Ficha Limpa” mostrou que a união das pessoas pode promover mudanças, para que um dia piadas como essa não façam mais sentido.

By Jânio

fevereiro 6, 2011 Posted by | Piadas | , , , , , , , , , , , , , | 18 Comentários

Pixote – Ficção, realidade e tragédia

vida real

Dura Realidade

Ontem eu assisti pela décima vez, o filme “Pixote”, um dos filmes nacionais que mais fez sucesso fora do Brasil. Talvez seja só impressão, mas cada vez que eu assisto esse filme, eu tenho uma visão diferente.

A única coisa que não muda, é a história de Pixote, o resto do filme sempre me parece mais claro, a medida que o tempo passa, a medida que eu vou envelhecendo.

Uma detalhe que eu já tinha notado há muito tempo, são os exageros dos filmes nacionais, onde os marginais apresentam uma caracterização aparentemente forçada, quase uma caricatura. A minha visão dessa tragédia social era tão inocente que a história me parecia surreal, uma ficção, uma mentira.

Depois de ter assistido ao filme sobre a vida real de Pixote, eu fiquei com uma sensação de estar sendo enganado. Pensei comigo, uma das duas está mentindo, ou a ficção, ou a realidade.

Pixote é uma tragédia da vida real anunciada, eu diria até que o cineasta argentino/brasileiro Hector Babenco conseguiu dar uma visão bem mais realista do que nós brasileiros poderíamos ter, por estarmos perto demais dos fatos, iludidos demais pela mídia.

Babenco foi quase sádico em seu filme, onde um grupo de menores se envolve com a marginalidade, sobrevivendo do tráfico de drogas. Falando assim parece clichê, mas Babenco detalhou os fatos, tanto nos diálogos, quanto nas imagens.

As cenas bizarras, como foi o caso do aborto voluntário da personagem interpretada por Marília Pera, chega a chocar, mesmo mostrando claramente o estado psicológico da personagem, à beira da loucura. A personagem chega a insinuar um aborto de Pixote, numa clara crítica ao aborto e as famílias mal estruturadas.

Enquanto na vida real, o filme é romântico, mostrando um menino extremamente pobre que tira a sorte grande, fazendo um filme com um consagrado diretor que fica famoso no mundo inteiro. A fama de Babenco só pode ser notada quando, num seriado famoso, Lost, um dos personagens lamenta não ter trabalhado com o diretor, lembrando do teste que fizera.

Depois do filme, da fama, o menino “Pixote” vira a “galinha dos ovos de ouro”, é entregue para uma família especializada em carreiras infantis, os pais de Izabella Garcia e sua irmã, ambas ex-atrizes do seriado infantil “Sítio do pica-pau amarelo”.

Só faltou avisarem que o menino tinha família, tinha comunidade, tinha vida própria.

É claro que o menino não se adaptou, não se pode mudar toda a sociedade ajudando apenas um menino; pode ser que ele prefira sua vida real, nem todo mundo consegue interpretar o tempo todo – Quem disse que ele interpretava?

O menino retornou ao mundo real, onde já havia virado lenda, onde nunca mais teria sua realidade de volta.

Todos os “pobres coitados” de sua comunidade viam sua super exposição na mídia, imaginando-o muito rico. Todos queriam uma parte, afinal, Pixote levara sua miséria para as telas, explora toda a podridão da falta de infra-estrutura brasileira.

Pixote, na vida real, não teve a mesma sorte de seu personagem mitológico, a vida real foi muito forte para ele.

Para a sorte de nossa sociedade, ninguém conheceu Pixote na vida real, por isso a imagem que ficará sempre será a imagem das telas, aquele que sobreviveu, pelo menos durante as cerca de duas horas que duraram o filme.

Na vida real Fernando Ramos da Silva, o Pixote, morreu jovem, como sua realidade nada fictícia impõe, apesar de confundida com a ficção, apesar de ter flertado com ela, sua vida real nunca o perdoou.

By Jânio

setembro 1, 2010 Posted by | Cinema | , , , , , , , , , , , | 5 Comentários

Sinais de que algo pode dar errado

Algumas pessoas tem uma imaginação fértil, bastam pequenos detalhes para que sua mente fique aguçada.

Nós podemos nos assustar com reflexos no espelho, com uma sombra ou até um barulho. Pouquíssimas  pessoas são totalmente imunes a sensibilidade dos cinco sentidos, criando, a partir daí, um sexto.

Apesar de não serem supersticiosas, outras pessoas não deixam de notar que algumas situações e imagens são, no mínimo, sugestivas.

Como você se sentiria se estivesse viajando por uma região inóspita, num país estrangeiro, de repente passasse por um túnel desse? – é como se a imagem dissesse “CUIDADO”.

bonita e perigosa

Tome cuidado

Apesar de essa ser apenas uma montagem, as nuvens criam formações muito mais intrigantes que essa, o pior é que só você vê o enquadramento certo da imagem bizarra.

fotos de nuvens

Nuvens bizarras

O medo é um sentimento que nos deixa muito mais atentos, mas algumas imagens passam a sensação de que vai acontecer alguma coisa errada.

premonição ou acaso

Conspiração do universo

By Jânio

fevereiro 15, 2010 Posted by | Piadas | , , , , , , , , , | 9 Comentários

   

Karmas e DNA.

Direitos autorais: Fernanda vaz.

Academia New Star Fitness

A fine WordPress.com site

Gramofone Lunar

Músicas, Versos e Outras Histórias

baconostropicos

Documentário "Baco nos Trópicos"

relutante

leve contraste do sentimentalismo honorário

entregue a solidão

é oque me resta falar e oque me sobra sentir

RB Solutions

Soluções em informática, comunicação e tecnologia

Bora' para Ireland

Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

sarahrosalie

A topnotch WordPress.com site

Suburban Wars

"Let's go for a drive, and see the town tonight"

Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

%d blogueiros gostam disto: