Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

Destino manifesto – o início

imperialismo e expansionismo

Destino Manifesto

No século 19, Manifest Destiny era a crença amplamente difundida nos Estados Unidos, pela qual os colonos norte-americanos estariam destinados a se expandir por todo o continente. Historiadores, em sua maior parte, concordam que há basicamente três características para o Manifest Destiny:

a) As virtudes especiais do povo americano e as suas instituições;

b) A missão da América de resgatar e refazer o oeste à imagem da América agrária;

c) Um desejo irresistível de realizar essa tarefa essencial.

O historiador Frederick Merk diz que este conceito nasceu de “um senso de responsabilidade em resgatar o Velho Mundo pelo bom exemplo, gerado pelas potencialidades de uma nova terra para a criação de um novo paraíso”.

Os historiadores têm enfatizado que “Destino Manifesto” era um conceito muito contestado pelos americanos proeminentes (como Abraham Lincoln, Ulysses S. Grant, e a maioria dos Whigs) que o rejeitaram. O Historiador Daniel Walker Howe escreveu, “American imperialism did not represent an American consensus; it provoked bitter dissent within the national polity….[Whigs] saw America’s moral mission as one of democratic example rather than one of conquest.” Nationwide, probably most Democrats supported Manifest Destiny and most Whigs strongly opposed it. O historiador Daniel Walker Howe escreve: “O imperialismo americano não representam um consenso americano; ao invés disso provoca uma amarga dissidência dentro da política nacional…. Whigs viu uma necessidade moral dos Estados Unidos como um dos exemplos democráticos, em vez de um exemplo de conquista”, provavelmente a maioria dos democratas tenham apoiado o Manifest Destiny e a maioria dos Whigs foram fortemente contra.

O Manifest Destiny, veio do tom retórico até a maior aquisição de território dos EUA. Foi usado pelos democratas na década de 1840 para justificar a guerra com o México e também foi usado para dividir metade do Oregon contra a Grã-Bretanha. Mas o Manifest Destiny sempre foi criticado por causa de suas limitações internas e a questão da escravidão, diz Merk. Isso nunca chegou a ser uma prioridade nacional. Em 1843 John Quincy Adams, originalmente um dos principais defensores, havia mudado de idéia e passou a repudiar o Manifest Destiny porque significava a expansão da escravidão no Texas.

Merk conclui:

Desde o início o Manifest Destiny revelava-se como um grande projeto, em seu sentido de se expandir pelo continente, mas com pouco apoio. Faltou consenso nacional, ou quantidade de pessoas proporcional a sua magnitude. A razão era que ele não refletia o espírito nacional. A tese de que ele encarna o nacionalismo, encontrada em grande parte da literatura histórica, é apoiado por poucas evidências concretas.

Fonte: Wikipedia

Gestado – Choque de raças

Os 25 pontos chaves do racismo

Suástica – o símbolo obscuro do nazismo

Eugenia – Da genética ao nazismo

Anúncios

fevereiro 24, 2014 - Posted by | Política | , , , , , , , ,

1 Comentário »

  1. […] Destino Manifesto – o início […]

    Pingback por Influências do destino manifesto « Made in Blog | março 5, 2014 | Resposta


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: