Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

Influências do destino manifesto

império americano

Influências Imperialistas

O historiador William E. Weeks observou que três temas-chave foram frequentemente abordados pelos defensores do destino manifesto:

a) a virtude do povo americano e as suas instituições;

b) a missão de difundir essas instituições e assim refazer o mundo à imagem dos Estados Unidos;

c) o destino em Deus para fazer este trabalho.

A origem do primeiro tema, mais tarde conhecido como excepcionalismo americano, foi muitas vezes atribuída a herança cultural da América puritana, particularmente no famoso John Winthrop de “Cidade sobre o Monte”, sermão de 1630, em que ele faz um chamado para o estabelecimento de uma comunidade virtuosa que seria um brilhante exemplo para o Velho Mundo. Em seu influente panfleto de 1.776, “Senso Comum”, Thomas Paine cita esse conceito, argumentando que a Revolução Americana foi uma oportunidade para criar uma nova sociedade, melhor:

Temos em nosso poder a chance de começar o mundo novamente. A situação, semelhante ao presente, não ocorre desde os dias de Noé. O nascimento de um novo mundo está na mão…

Muitos norte-americanos concordaram com Paine, e chegaram a acreditar que a virtude dos Estados Unidos fora o resultado de sua experiência excepcional na liberdade e na democracia. Thomas Jefferson, em uma carta a James Monroe, escreveu que “é impossível não olhar para a frente a tempos distantes quando a nossa multiplicação rápida expandiria-se para além desses limites, e cobriria todo o norte, se não até o sul do continente”. Para os americanos nas décadas que se seguiram, a sua proclamação de liberdade para a humanidade, consubstanciado na Declaração de Independência, só poderia ser descrito como a inauguração de “uma nova escala de tempo”, porque o mundo iria olhar para trás e definir a história de acordo com os eventos que ocorreram antes e depois da Declaração de Independência. Então os americanos deviam ao mundo a obrigação de expandir e preservar essas crenças.

A origem do segundo tema é menos precisa. A expressão popular da missão dos Estados Unidos foi elaborada pelo presidente Abraham Lincoln em sua mensagem ao Congresso, 01 de dezembro de 1862. Ele descreveu os Estados Unidos como “a última e melhor esperança da Terra. “A “missão” dos Estados Unidos foi mais elaborada durante o discurso de Lincoln em Gettysburg, no qual ele interpretou a Guerra Civil Como uma luta para determinar se qualquer nação com ideais democráticos poderia sobreviver, o que tem sido chamado pelo historiador Robert Johannsen de “a indicação mais duradoura da América sobre o Destino Manifesto e sua missão”.

O terceiro tema pode ser visto como uma conseqüência natural da crença de que Deus tinha uma influência direta na fundação e outras ações dos Estados Unidos. Clinton Rossiter, um estudioso, descreveu esta visualização como prova de “que Deus, na hora certa, preparava o caminho da história, convocando certas almas resistentes das antigas nações, cheias de privilégios… e que concederia sua graça. Ele também concederia uma responsabilidade peculiar”.

Os americanos imaginaram que eles eram não só eleitos por Deus para manter o continente norte-americano, mas também para “espalhar os princípios fundamentais enunciados na Declaração de Direitos”. Em muitos casos, isso significava colonizar os vizinhos participantes e os países eram vistos como obstáculos ao invés do destino que Deus havia fornecido aos Estados Unidos.

A análise de Faragher da polarização política entre o Partido Democrata e o Partido Whig é que:

“A maioria dos democratas eram partidários sinceros da expansão, ao passo que os whigs (especialmente no norte) se opuseram. Os Whigs acolheram a maior parte das mudanças provocadas pela industrialização, mas defenderam fortes políticas governamentais que orientariam o crescimento e desenvolvimento dentro dos limites existentes no país; Temiam (corretamente) que a expansão levantasse uma questão controversa a respeito da escravidão nos territórios americanos. Por outro lado, muitos democratas temiam a industrialização defendida pelos Whigs…

Para muitos democratas, a resposta para os males sociais do país era continuar a seguir a visão de Thomas Jefferson de estabelecer a agricultura nos novos territórios, a fim de contrabalançar a industrialização”.

Outra possível influência era a possível predominância racial, ou seja, a ideia de que a raça anglo-saxã americana era “separada, naturalmente superior” e “destinada a trazer um bom governo, a prosperidade comercial e o cristianismo para o continente americano e ao mundo. “Este ponto de vista também considerou que “raças inferiores estavam condenadas a condição subordinada ou extinção”. Isto foi usado para justificar “a escravização dos negros e da expulsão e possível extermínio dos índios”

Fonte: RT

A origem do imperialismo

Carta da independência dos EUA

Destino Manifesto – o início

março 5, 2014 - Posted by | Política | , , , , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: