Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

A guerra ao narcotráfico no Rio

 

violência

Guerra do Rio

Costuma-se dizer, entre os comentaristas e sociólogos, que a guerra travada entre a polícia e o narcotráfico não é o cartão postal que a cidade do Rio gostaria de divulgar.

Não são só as notícias ruins que espalham rápido, as imagens e vídeos também.

Sérgio Cabral será conhecido, pela história, como o homem que declarou querra ao tráfico de drogas. O Governador que conseguiu unir as polícias, apesar das denúncias constantes de corrupção, relacionadas ao quadro policial do país.

A criminalidade, assim como vários outros problemas, estão diretamente ligados a gestão pública.

É cansativo repetir sempre a mesma coisa, mas o que está efetivamente sendo feito, para que outras guerras não venham a ocorrer no futuro?

O mais assustador, quando assistimos essas imagens de guerrilha urbana, é imaginar que essa violência está se espalhando por todo o país. A violência do Rio já se tornou violência das regiões metropolitanas.

Uma organização que, segundo algumas notícias vindas do Paraguai e Colômbia, ultrapassaram fronteiras.

Evidentemente que não podemos criticar o Governador que mais combate o crime nas comunidades dos morros, mas sim o sistema. Tanto em São Paulo, quanto no Rio, nota-se que a violência está muito acima dos partidos.

Será que há interesses envolvidos à essas guerras? – …à julgar pela incompetência de nossos políticos, e pelas análises notadamente parciais de nossos jornalistas, nota-se que o problema não é só político.

Eu tenho notado que  a cada medida enérgica, por parte do sistema, o povo mais pobre sempre é o primeiro a sofrer as consequências. Foi assim no primeiro congelamento do Governo Sarney, Collor, Itamar, FHC e Lula.

Sempre houveram críticas da oposição, mas sempre ficou claro que essa era a maneira mais cômoda de governar.

Os arquivos secretos do Governo são capazes de assustar até o mais perigoso bandido do mundo.

Recentemente, alertamos para a falta de controle de armas da própria polícia, um problema crônico, onde a arma é fornecida pelos policiais corruptos, e recuperada pela própria polícia, durante a prisão do marginal, voltando a se tornar mercadoria a ser comercializada.

A corrupção no Brasil pode ser medida pelo impostômetro, o maior símbolo da vergonha nacional. A conclusão é de fácil assimilação: Quanto mais impostos, mais corruptos.

Não há nenhum plano de redução de impostos, nunca houve, o que prova que a corrupção está acima dos partidos, está nas mãos dos coronéis da política e das mídias de massa,  aliados dos banqueiros e empresários, patrões dos políticos corruptos.

A saída passa pelas alternativas oferecidas pelas eleições, a pergunta que sempre fica é: Quais são as chances dos pequenos partidos, e quais as possibilidades de governabilidade?

Movimentos populares, como o Ficha Limpa, podem ser um bom começo, mas não a solução.

Quanto menos corruptos na política, menor a possibilidade de manipulação, menor a força da máfia.

Eu não participei do Ficha Limpa, simplesmente porque não acreditava  que poderia resultar em bons resultados, já que os grandes políticos, e envolvidos em esquemas de manipulação, raramente são detectados pela justiça.

Apesar disso, todos nós notamos que o Ficha Limpa funcionou, e foi apenas a ponta do iceberg, muitos políticos cairam, não pelo Ficha limpa, mas por vontade do próprio povo. Se a memória do povo era curta, com a ajuda da internet, ela se refrescou.

Tentaram inclusive criar projetos para controlar a informação na rede, além de descobrirem que é impossível esse tipo de controle, descobriram também que os internautas são muito mais informados que eles pensavam.

Essa guerra no Rio, não deverá solucionar os problemas da Cidade Maravilhosa, muito menos do país inteiro. A solução é muito mais complexa, principalmente quando falta boa vontade.

Muita gente morrerá, chegando ao ponto de os próprios traficantes  incitarem essa violência, já que normalmente é a polícia que começa o barulho.  Pode ser que a logística sofisticada, dos poderosos traficantes, já tenha detectado os benefícios dessas guerras tolas e inglórias.

Quanto menos traficante vivo, maior o lucro, já que acabar com o tráfico é praticamente impossível. O tráfico é um reflexo de nosso sistema.

Como disse o grande filósofo Geraldo Alckmin: “Durante os ataques do PCC, foi a época em que se registrou o menor índice de criminalidade em São Paulo”.

A organização do crime, ironicamente, impossibilita que todos os marginais pratiquem o crime em seu território, já que o policiamento nunca será suficiente para conter a criminalidade.

A “PPP” continuará o seu joguinho sujo pelo poder, enquanto isso, o povo assiste a tudo sem poder participar, a não ser em época de eleições.

Muitos políticos “sujos” caíram, muitos ainda haverão de cair, desde que o povo veja o lado bom de seu voto, deixando muitos políticos veteranos sem mandato.

https://icommercepage.wordpress.com/2009/10/20/violencia-do-rio-vista-de-fora/

https://icommercepage.wordpress.com/2010/09/15/a-crise-da-ppp/
By Jânio

novembro 28, 2010 Posted by | divulgação gratis | , , , , , , , , , , | 8 Comentários

A necessidade de soluções para problemas sociais

problemas sociais

problemas sociais

A sensibilidade é de muita utilidade para a solução de conflitos pessoais ou sociais, pessoas com sensibilidades apuradas  podem ter uma capacidade maior  de percepção, de pontos de vista diferentes.

Apenas as pessoas realmente muito insensíveis serão incapazes de desenvolver uma forma de saber o que os outros sentem, o que os outros pensam.

Já ficou comprovado, mais de uma vez, que é preciso várias técnicas, ou ciências diferentes,  para se concluir e responder questões importantes de interesse da sociedade.

Aqui começa o primeiro conflito, quando dizemos sociedade, geralmente estamos nos referindo a alta sociedade, não ao povo em geral, até porque o povo vive com a sensação de que suas reivindicações nunca serão atendidas.

Durante muito tempo, no Brasil, acreditou-se que a polícia poderia resolver os problemas de violências nas favelas, vários projetos, músicas, documentários, cinema e televisão, mostraram que a violência e o tráfico estão diretamente ligados a questões sociais.

Isso me faz lembrar do tempo em que eu era criança, quando haviam muitos terrenos baldios, terrenos que logo eram aproveitados pelos meninos para construção de pequenos campos de futebol.

Hoje, um político cria uma quadra de esportes para uma cidade de vinte ou trinta mil habitantes, já acha que resolveu os problemas sociais, tudo é feito de maneira fria e calculista. Na realidade, tudo é uma questão de planejamento, se houvesse uma maior atenção, por parte da administração pública, no inicio, no planejamento residencial, evitaríamos muitos problemas, como o de morador de rua, por exemplo.

Um bom planejamento na área de saúde, como é feito pelo voluntariado, com prevenção de doenças, conselhos e acompanhamento das famílias, criação de novas opções de lazer, teríamos uma nova base de sociedade. O povo poderia descobrir que a cachaça seria melhor aproveitada, economicamente, mais para exportação do que para o consumo interno.

Uma boa educação política, evitaria que o Brasil tivesse tantos eleitores alienados, vendendo o voto, sem tradição familiar, onde raramente se sabe quem é o bisavô, em alguns casos nem o pai.

É preciso identificar os problemas de caráter urgente, educar as pessoas a combater esses problemas.

Para que tudo isso seja possível é preciso sensibilidade, é preciso que se observe pontos de vista, é preciso ouvir os principais envolvidos na questão a ser resolvida; sem sua presença,  não haverá a solução do problema.

Eu tenho observado os pontos de vistas de várias pessoas envolvidas em questões sociais:

Mãe solteira na prostituição – “Eu achava que ele ia casar comigo, agora a prostituição é a forma mais rápida e mais fácil de conseguir o dinheiro, depois que fui expulsa de casa”.

Favelado – “Eu sei qual é a expectativa  de vida aqui no morro, eu sei que eu não tenho nenhuma chance”. Nesse caso o indivíduo opta pela lei mais eficaz nesses casos, a lei da sobrevivência.

Empresário – “O governo cobra taxas exorbitantes de impostos, sem oferecer nada em troca, a não ser o aumento de seu próprio salário”. A sonegação é a alternativa, aumentando ainda mais a burocracia brasileira.

Governo – “Procuraremos a melhor forma para que os empreendedores individuais saiam da informalidade”.

Médico – “Não poderemos trabalhar no combate de uma epidemia, sem as condições necessárias para isso”.

Professor – “A melhor saída para tudo isso está na educação, não uma educação qualquer, mas uma educação acompanhada de uma boa gestão, competente e participativa”.

Presidiário – “Eu cometi o crime, estou pagando mais do que eu devo, numa cela com vinte pessoas, onde deveriam estar quatro. Quem é que vai pagar por esse crime”?

Menor abandonado – “Não me pergunte o que eu estou fazendo aqui, isso não vai me ajudar em nada, não adianta me dar um livro de presente, para dar uma lição em meu pai, ele não sabe ler, nem eu. E não me pergunte quando eu vou voltar para casa, eu preciso me virar”.

Político – ???
A partir do momento em que formos capazes de observar o ponto de vista de outras pessoas, estaremos aptos para resolver os seus problemas, os nossos problemas também estarão resolvidos. Quando a nossa verdade se encontrar com a verdade de outras pessoas, aí, encontraremos a verdade de fato.

By Jânio.

agosto 28, 2009 Posted by | Reflexões | , , , | 26 Comentários

   

Karmas e DNA.

Direitos autorais: Fernanda vaz.

Academia New Star Fitness

A fine WordPress.com site

Gramofone Lunar

Músicas, Versos e Outras Histórias

baconostropicos

Documentário "Baco nos Trópicos"

relutante

leve contraste do sentimentalismo honorário

entregue a solidão

é oque me resta falar e oque me sobra sentir

RB Solutions

Soluções em informática, comunicação e tecnologia

Bora' para Ireland

Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

sarahrosalie

A topnotch WordPress.com site

Suburban Wars

"Let's go for a drive, and see the town tonight"

Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

%d blogueiros gostam disto: