Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

A melhor música do maluco beleza

dupla interpretação

Religiosidade de Raul

Gita é um sucesso musical de Raul Seixas e Paulo Coelho, seu título faz alusão a um dos textos sagrados do hinduísmo, o Bhagavad-Gitā.

Durante muito tempo, pensou-se que a letra Gita se referia à uma pessoa tímida apaixonada, Gita virou um mito. Até hoje, muita gente ainda considera a versão de uma pessoa tímida muito bonita.

Pode até parecer uma comparação bonita, mas a grande verdade é que os autores não gostaram nada desse desvio de interpretação, não é para menos, Paulo coelho, hoje, é um dos autores mais populares do mundo.

Apesar de Raul ser um dos melhores músicos da história da música no Brasil, sendo um dos poucos músicos a misturar vários ritmos, nacional e internacional, era em Paulo Coelho que ele encontrava suas melhores letras. Sua música, juntamente com as letras do escritor, combinavam de maneira quase perfeita.

Quem conhece outras músicas de Raul, como “Eu nasci há dez mil anos atrás”, pode identificar sua religiosidade em várias partes da música Gita, para não dizer em toda ela.

Acontece que a década de setenta, Gita foi lançada em 74, foi uma década muito romântica, daí o motivo de todos os grandes hits da época serem relacionados a um mesmo tema.

Por essas e por outras histórias relacionadas ao maluco beleza, Gita virou lenda no Brasil. Raul e Paulo Coelho ainda criaram outros grandes clássicos, mas Gita sempre será lembrado como sua marca registrada, nem mesmo o videoclip mal acabado dessa música, conseguiu tirar-lhe o brilho.
GITA

“Eu que já andei
Pelos quatro cantos do mundo
Procurando
Foi justamente num sonho
Que Ele me falou”

Às vezes você me pergunta
Por que é que eu sou tão calado
Não falo de amor quase nada
Nem fico sorrindo ao teu lado

Você pensa em mim toda hora
Me come, me cospe, me deixa
Talvez você não entenda
Mas hoje eu vou lhe mostrar

Eu sou a luz das estrelas
Eu sou a cor do luar
Eu sou as coisas da vida
Eu sou o mêdo de amar

Eu sou o medo do fraco
A força da imaginação
O blefe do jogador
Eu sou, eu fui, eu vou

Gita! Gita! Gita!
Gita! Gita!

Eu sou o seu sacrifício
A placa de contra-mão
O sangue no olhar do vampiro
E as juras de maldição

Eu sou a vela que acende
Eu sou a luz que se apaga
Eu sou a beira do abismo
Eu sou o tudo e o nada…

Por que você me pergunta?
Perguntas não vão lhe mostrar
Que eu sou feito da terra
Do fogo, da água e do ar

Você me tem todo dia
Mas não sabe se é bom ou ruim
Mas saiba que eu estou em você
Mas você não está em mim

Das telhas eu sou o telhado
A pesca do pescador
A letra “A” tem meu nome
Dos sonhos eu sou o amor

Eu sou a dona de casa
Nos pegue pagues do mundo
Eu sou a mão do carrasco
Sou raso, largo, profundo

Gita! Gita! Gita!
Gita! Gita!

Eu sou a mosca da sopa
E o dente do tubarão
Eu sou os olhos do cego
E a cegueira da visão

Eu!
Mas eu sou o amargo da língua
A mãe, o pai e o avô
O filho que ainda não veio
O início, o fim e o meio
O início, o fim e o meio
Euuuuu sou o início
O fim e o meio
Euuuuu sou o início
O fim e o meio.

Raul Seixas e Paulo Coelho

setembro 4, 2010 Posted by | Música. | , , , , , , , , , , , | 11 Comentários

Textos proibidos de autores brasileiros

anjo pornográfico

Nelson Rodrigues

A maioria dos intelectuais tem, entre as suas principais características, o fato de não terem limites, além, é claro, de uma habilidade incrível com as palavras.

Ao longo dos tempos, foram criadas várias formas de disfarçar seus sentimentos e o que eles pensam.

Essas maneiras de falar e de se expressar apavorava  a burguesia, aristocracia, ou seja lá como se chame a classe média alta, esses intelectuais sempre foram uma grande ameaça ao jeito hipócrita de ser.

Normalmente as pessoas de sociedade não expressam o que verdadeiramente pensam, todas as palavras são elaboradas minuciosamente para que haja o equilíbrio.

A política sempre foi a área mais sensível, onde essa técnica foi elaborada ao limite, para explicar os crimes e falta de respeito, e justiça,  para com as pessoas.

Do outro lado estão as classes marginalizadas como artistas de underground, traficantes, prostitutas, moradores de rua,favelados, etc.

Durante muito tempo pensou-se que marginalidade era sinônimo de falta de cultura, mesmo sem saber o que de fato era cultura, mas isso tem mudado. Hoje, sabemos que há muitas mentes brilhantes do lado de lá, muita gente que tem muito o que ensinar e a mostrar.

Na história do mundo, o conceito sexual sempre foi o mais polêmico e marginal, muitos plebeus e nobres se destacaram pela sua postura pouco ortodoxa de viver e pensar. Nostradamus, Copérnico, Casanova, Marquês de Sade, são vários nomes que desafiaram os conceitos pré-estabelecidos pelo sistema.

No Vaticano, segundo as más línguas haveria uma infinidade de livros proibidos, que não se encaixam aos novos tempos, proibidos de serem vistos. Até os contos populares da idade média, como Branca de Neve e Chapeuzinho Vermelho foram adaptadas, há entretanto uma história que eu diria que vazou pelas garras da censura, a história de Joãozinho e Maria.

Nenhuma área está livre desse controle: artes, educação, cultura, política, religião, tudo está sob a guarda da moral e dos bons costumes.

No Brasil, temos alguns exemplos clássicos de intelectuais que não conseguem toda a liberdade de expressão que gostariam, alguns, ficam no anonimato até a sua morte, outros seguem lutando contra o sistema até se destruírem por completo.

A seguir apresentamos alguns textos que são considerados “malditos” pelo sistemas. Seus autores nunca foram reconhecidos em vida, curiosamente, depois de mortos, seus nomes começaram a figurar entre as maiores celebridades nacionais de todos os tempos.

Raul Seixas, o maluco beleza, nunca se encaixou no sistema, mesmo com a chegada da maturidade ele mostrava uma certa insatisfação com o sistema, mesmo deixando claro que não pagaria o preço exigido pela sua postura.

“Se esse amor

Ficar entre nós dois
Vai ser tão pobre amor
Vai se gastar…

Se eu te amo e tu me amas

Um amor a dois profana

O amor de todos os mortais

Porque quem gosta de maçã

Irá gostar de todas

Porque todas são iguais…

Se eu te amo e tu me amas

E outro vem quando tu chamas

Como poderei te condenar

Infinita tua beleza

Como podes ficar presa

Que nem santa num altar…

Quando eu te escolhi

Para morar junto de mim

Eu quis ser tua alma

Ter seu corpo, tudo enfim

Mas compreendi

Que além de dois existem mais…
Amor só dura em liberdade

O ciúme é só vaidade

Sofro, mas eu vou te libertar

O que é que eu quero

Se eu te privo

Do que eu mais venero

Que é a beleza de deitar…

Quando eu te escolhi

Para morar junto de mim

Eu quis ser tua alma

Ter seu corpo, tudo enfim

Mas compreendi

Que além de dois existem mais…

Amor só dura em liberdade

O ciúme é só vaidade

Sofro, mas eu vou te libertar

O que é que eu quero

Se eu te privo

Do que eu mais venero

Que é a beleza de deitar”

Raul Seixas

Podemos dizer que Chico Buarque é uma exceção entre os chamados malditos. Politicamente engajado, Chico Buarque era atuante e inteligente suficiente para lidar com sua condição e seu modo de se expressar.

Isso não quer dizer que não tenha enfrentado problemas com isso, mas entre suas obras estão verdadeiros clássicos.

Chico sempre enfrentou o sistema com muita ironia. O sistema mudou, ele não

“Agora eu era o herói

E o meu cavalo só falava inglês

A noiva do cowboy

Era você além das outras três

Eu enfrentava os batalhões

Os alemães e seus canhões

Guardava o meu bodoque

E ensaiava o rock para as matinês

Agora eu era o rei

Era o bedel e era também juiz

E pela minha lei

A gente era obrigado a ser feliz

E você era a princesa que eu fiz coroar

E era tão linda de se admirar

Que andava nua pelo meu país

Não, não fuja não

Finja que agora eu era o seu brinquedo

Eu era o seu pião

O seu bicho preferido

Vem, me dê a mão

A gente agora já não tinha medo

No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido

Agora era fatal

Que o faz-de-conta terminasse assim

Pra lá deste quintal

Era uma noite que não tem mais fim

Pois você sumiu no mundo sem me avisar

E agora eu era um louco a perguntar

O que é que a vida vai fazer de mim?

Chico Buarque

Nélson Rodrigues sempre teve habilidade para escrever, e foi assim que criou suas obras clássicas.

Aparentemente inspiradas em casos reais, criava crônicas explicando as personalidades doentias de pessoas ditas normais, mas que na verdade eram estranhas até pelo ponto de vista dos marginalizados.

“Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico(desde menino).”

O filme e o livro contam a história da família Noronha e, em especial, de Silene. Ela é a caçula das cinco filhas de Aracy e Seu Noronha. Seu Noronha, um contínuo da Câmara de Deputados, mora no Grajaú com a mulher, D. Aracy, e suas filhas Aurora, Hilda, Débora, Arlete e Silene, de apenas 16 anos. Esta, a caçula, é a mais mimada de todas e, por ser a única “pura”, tem o direito a uma boa educação em um colégio interno. Mas logo a vida deles toma um rumo diferente, quando a garota é acusada, no colégio, de matar a pauladas uma gata grávida. A família Noronha parece tão normal quanto qualquer outra, mas, por trás das aparências, esconde segredos inconfessáveis. As quatro filhas mais velhas se prostituem para garantir a castidade e a boa educação de Silene. A partir do incidente ocorrido na escola, descobre-se a jovem não é pura como todos pensam.

– Num adultério, há homens que preferem ser o marido, não o amante. Os homens adoram ser traídos.

– Todo amor é eterno e, se acaba, não era amor.

– Toda mulher bonita é um pouco a namorada lésbica de si mesma.

– No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte.

– O Sábado é uma ilusão.

– Aos dezoito anos, o homem não sabe nem como se diz bom-dia a uma mulher. O homem devia nascer com trinta anos feitos.

– O amigo trai na primeira esquina. Ao passo que o inimigo não trai nunca. O inimigo é fiel. O inimigo é o que vai cuspir na cova da gente.

– Toda mulher gosta de apanhar.

– O Natal já foi festa, já foi um profundo gesto de amor. Hoje, o Natal é um orçamento.

– Qualquer menino parece, hoje, um experimentado e perverso anão de 47 anos.

– Se cada um conhecesse a intimidade sexual dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém.

– Toda unanimidade é burra.

Nelson Rodrigues

Cassandra rios é um caso raro na literatura brasileira, escrevia sobre uma temática pouco convencional, a homossexualidade feminina. Nunca esteve entre os grandes nomes da literatura nacional, nem foi membro da Academia Brasileira de Letras, apesar disso, alguns de seus livros foram adaptados para o, também. marginalizado cinema nacional.

O filme Ariella, além de ser uma obra de arte de Cassandra, também inspirou a carreira de alguns artistas brasileiros.

“Mãos dadas!

Tu e eu!

Sempre de mãos dadas!

Fizemos amor assim!

Sentimos o gozo percorrer nossos corpos

entre arrepios que surgiam

da palma das nossas mãos unidas,

dedos entrelaçados!

Viste, amor! Isso é a eletrostática da

alma!

Aquele arrepio que sentimos,

quando nos olhamos

e quando estremecemos de emoção

só no simples gesto de mãos dadas!

Que extraordinária força

descobrimos em nós

quando vibramos simultaneamente

a esse simples contato.

É a eletricidade da vida que explode em amor!”

Cassandra Rios

Fontes:

Wikipedia

Portal Terra

Crítica e texto: By Jânio

julho 16, 2010 Posted by | Reflexões | , , , , , , , , , , , , , | 11 Comentários

   

Karmas e DNA.

Direitos autorais: Fernanda vaz.

Academia New Star Fitness

A fine WordPress.com site

Gramofone Lunar

Músicas, Versos e Outras Histórias

baconostropicos

Documentário "Baco nos Trópicos"

relutante

leve contraste do sentimentalismo honorário

entregue a solidão

é oque me resta falar e oque me sobra sentir

RB Solutions

Soluções em informática, comunicação e tecnologia

Bora' para Ireland

Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

sarahrosalie

A topnotch WordPress.com site

Suburban Wars

"Let's go for a drive, and see the town tonight"

Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

%d blogueiros gostam disto: