Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

Voleibol masculino ganha a sétima medalha de ouro

Olimpíadas 2.016

Olimpíadas 2.016

Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil

O Brasil venceu hoje, por 3 sets a 0, a Itália e conquistou a terceira medalha de ouro olímpica no vôlei de quadra masculino.

A Itália abriu o jogo da final com um desempenho melhor mas, em pouco tempo, ainda no final do primeiro set, o Brasil chegou finalmente ao jogo e tomou a liderança. Apesar de se manter na frente, a seleção brasileira enfrentou uma forte pressão dos adversários que levou todos os sets a serem concluídos em um verdadeiro revezamento de vantagem, ponto a ponto no placar. O equilíbrio do jogo ficou ainda mais evidente no terceiro set, quando a vantagem passou de uma equipe a outra desde os primeiros instantes levando o set a longos x minutos.

Os italianos chegaram na decisão invictos, mas buscavam primeiro ouro olímpico. Os Italianos já tinham duas pratas – uma conquistada em 1996, nos jogos de Atlanta, contra os Países Baixos, e, em 2006, quando perdeu por 3×1 sets para o Brasil.

O bronze do vôlei masculino foi para a equipe norte-americana que, na manhã de hoje, venceu a Rússia por 3 sets contra 2.

Sets

O jogo começou com o primeiro ponto da Itália que abriu a partida com uma atuação melhor do que a apresentada pela equipe brasileira. O Brasil chegou a recuperar a vantagem nos primeiro minutos, mas Ricardo Lucarelli errou o saque. Um ace de Lipe empatou o set em 6 a 6. Os italianos questionaram o ponto, que foi confirmada pelo replay.

Lipe também estourou o bloqueio, mas os italianos conseguiram retomar por mais alguns momentos. A virada definitiva do time brasileiro começou com um outro ace de Lucarreli. As duas equipes investiram nos saques. O Brasil virou 13×12, aos 15 minutos de jogo e o técnico italiano Gianlorenzo Blengini  parou o set para tentar realinhar a equipe. O Brasil abriu mais dois pontos até Zaytsev atacar e os brasileiros bloquearem provocando mais uma dúvida. Foi a vez de a seleção brasileira pedir o auxílio do replay que provou o ponto do time da casa.

Mais um ace do Brasil, de Wallace, manteve a liderança e foi Wallace que também cortou a bola, em seguida, abrindo 5 pontos de vantagem superando mais um bloqueio italiano. A Itália conseguiu reduzir a diferença e Bernardinho pediu tempo em uma parada por precaução.

Bernardinho trocou William por Evandro para reforçar os bloqueios e o jogador chegou a quadra formando, nos primeiros instantes, uma muralha ao lado de Maurício Souza bloqueando a bola do italiano Gianelli. A vantagem brasileira foi mantida sob forte pressão da seleção italiana. O set chegou ao final com placar de 25×22 para o Brasil.

Segundo set

O segundo set fechou com 28×26, em 37 minutos, depois de uma disputa de revezamento de set points que esticou os nervos das duas equipes. O Brasil foi o primeiro a chegar ao set point, mas aparentemente tomados pelo nervosismo acabaram errando e criando a oportunidade para os italianos empatarem.

A equipe brasileira que chegou ao set point antes parecia ter sido tomada pelo nervosismo e acabou deixar os italianos se aproximarem com um placar de 24×24. Um bloqueio mal sucedido deu a Itália o set point. Com um toque de Maurício Souza, o Brasil retomou a bola, mas Lucarrelli errou o saque e voltou a vantagem para os italianos que também erraram. A recuperação definitiva veio de Maurício que superou a tensão dos últimos minutos fazendo um ponto de saque.

A Itália também tinha começado com vantagem no placa, porém o segundo set foi mais equilibrado entre as duas equipes. O equilíbrio entre as duas equipes se estabeleceu definitivamente já no início do terceiro set, com o revezamento do placar a cada ponto.

Edição: Carolina Pimentel
Anúncios

agosto 21, 2016 Posted by | esportes | , , , , , | Deixe um comentário

Futebol masculino ganha sexta medalha de ouro brasileira

Felipe Pontes e Kelly Oliveira – Repórteres da Agência Brasil

A seleção brasileira de futebol é campeã olímpica dos Jogos Rio 2016. O ouro olímpico foi definido nos penalties, após o empate de 1 a 1. Na quinta bola chutada pela Alemanha, o goleiro Weverton defendeu, garantindo o ouro para o Brasil.

O placar do jogo não mudou nos dois tempos da prorrogação, após os 90 minutos com os dois times empatados. O Brasil abriu o placar com o gol de Neymar, aos 26 minutos de jogo, em cobrança de falta. Em comemoração, Neymar repetiu o gesto de imitar um raio do jamaicano tricampeão olímpico de atletismo, Usain Bolt, presente no estádio. Bolt vibrou com o gol de Neymar.

Meyer, da Alemanha empatou, aos 13 minutos do segundo tempo. O gol de ocorreu após uma falha da defesa brasileira, numa bola rebatida. A partir daí, as duas equipes fizeram um jogo tenso com várias chances de gols perdidas pelas duas seleções.

História de uma conquista

Foram necessários 64 anos, mas a seleção brasileira enfim chega ao ouro nos Jogos Olímpicos, numa conquista que serve de redenção para uma geração de jogadores que, pelo menos, desde a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, vinha sendo apontada como desprovida de grandes craques, assim como a responsável pelo rebaixamento da seleção brasileira do papel de protagonista para o de coadjuvante no futebol mundial.

A seleção brasileira conquista ouro olímpico com vitória sobre a Alemanha no Maracanã. Neymar abriu o placar com um gol de falta no primeiro tempo da partida
A seleção brasileira conquista ouro olímpico com vitória sobre a Alemanha no Maracanã. Neymar abriu o placar com um gol de falta no primeiro tempo da partidaDivulgação/Confederação Brasileira de Futebol

Quis também o destino que o ouro fosse proporcionado por uma vitória sobre a Alemanha, país que derrotou o Brasil por 7 x 1 na semifinal do Mundial de 2014, no Brasil. O feito de agora passou longe de ser encarado pelos brasileiros como uma revanche para o fiasco de dois anos atrás. Um dos motivos é o de a seleção olímpica alemã ter em seu elenco somente um jogador que estava presente no Mundial, o zagueiro reserva Mathias Gunter. Mas esse foi um ingrediente a mais para incrementar o sabor de ganhar em casa um título há muito sonhado.

A perseguição ao ouro olímpico, último grande título internacional que faltava ao Brasil no futebol, ganhou contornos de obsessão nas últimas décadas, sentimento que acabou catalisado nestes Jogos Olímpicos, pelo fato do elenco jogar em casa, na primeira Olimpíada na América do Sul.

História começa em Helsinque

O Brasil estreou nos Jogos Olímpicos em 1952, em Helsinki, quando ficou em quinto lugar, após uma derrota nas quartas de final justamente para a Alemanha. Desde então foram conquistados dois bronzes, em Atlanta (1996) e Pequim (2008). As pratas foram fruto de três derrotas em finais: em Los Angeles para a França, em 1984; em Seul para a União Soviética, em 1988; e em Londres para o México, em 2012.
Foram necessárias portanto quatro finais para que os jogadores brasileiros finalmente pendurassem o ouro no pescoço, numa competição que ao longo dos anos ficou marcada pela zebra, tendo como medalhistas no passado países sem nenhuma chance em Copas do Mundo, como Bulgária, Suíça, Japão e Camarões.

O fenômeno se deve à restrição imposta pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e pela Federação Internacional de Futebol (Fifa), que permitem a participação nos Jogos somente de atletas abaixo dos 23 anos, com três exceções para cada país. A medida serve para amenizar o protagonismo midiático do futebol sobre outros esportes e equilibrar o torneio, ao contribuir para a ausência de grandes craques.

Uma dessas zebras foi a marcante derrota dos brasileiros para a Nigéria na semifinal de 1996, em Atlanta, quando a seleção era comandada por Zagalo e tinha os astros Bebeto, Ronaldo e Rivaldo na dianteira. O Brasil marcou um gol de falta logo nos primeiros dois minutos e terminou o primeiro tempo vencendo por 3 x 1. Mas a equipe derreteu na segunda etapa, cedendo o empate no tempo regulamentar. Na prorrogação, tomou o gol de ouro. Na disputa pelo bronze, o time se recuperou, goleando Portugal por 5 x 0.

Primeria medalha

A primeira medalha pode também ser considerada uma zebra, pois surgiu quando ninguém esperava. A prata em Los Angeles (1984) foi conquistada por um time formado sem o apoio da CBF, com um elenco composto por jogadores quase que exclusivamente do clube gaúcho Internacional, incluindo Gilmar Rinaldi e Dunga, e comandado por um técnico novato, Jair Picerni. Acabaram perdendo a final por 2 x 0 para a França.

Nos Jogos seguintes, em Seul (1988), a história era outra. Treinado pelo experiente Carlos Alberto Silva, o elenco contava com astros que viriam a ser tetracampeões mundiais com a amarelinha, entre eles o goleiro Taffarel e os atacantes Bebeto e Romário. Mais uma decepção na final, com derrota de 2 x 1 para a União Soviética.

Eliminado na primeira fase em Roma (1960), Tóquio (1964) e Cidade do México (1968), o Brasil sequer se classificou para Barcelona (1992). Mas seria em Sidney (2000) que a canarinha protagonizaria talvez a maior decepção de sua trajetória olímpica, ao ser eliminada novamente por um gol de ouro, dessa vez por Camarões, na quarta de final. O fiasco custou o cargo de Vanderlei Luxemburgo como técnico, e a seleção voltaria a ficar fora de uma Olimpíada na edição seguinte, em Atenas (2004).

Jogos de Pequim e Londres

Em Pequim (2008), sob o comando de Dunga e tendo Ronaldinho Gaúcho como capitão, a seleção brasileira voltaria ao pódio, conquistando o bronze sobre a Bélgica após ter perdido a semifinal para a bicampeã olímpica Argentina. Mas seria em Londres (2012) que uma nova decepção marcaria o Brasil: depois de chegar sem dificuldades à final, o time perdeu para o México por 2 x 1.

Para chegar ao tão sonhado ouro, Neymar e companhia superaram toda a carga pesada de decepções passadas da seleção em Olimpíada e em torneios internacionais disputados no Brasil. Ao fim, eles conseguiram se recuperar de um início de campanha apático e deram finalmente ao torcedor o direito gritar “É campeão” a plenos pulmões em casa, no Maracanã.

Edição: Aécio Amado

agosto 20, 2016 Posted by | esportes | , , , , , | 1 Comentário

Vôlei masculino de quadra também disputará ouro

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil

De quase eliminada na primeira fase à final olímpica. Após superar lesões de personagens importantes do time, como o ponta Lucarelli, a seleção brasileira masculina de vôlei atropelou hoje (19) o forte time da Rússia, por 3 a 0, e volta pela quarta vez a disputar o ouro.

Brasil vence Rússia e garante vaga na final no vôlei masculino
Brasil vence Rússia e enfrenta a Itália no domingoReuters/Ricardo Moraes/Divulgação

Com o apoio da torcida, a seleção do técnico Bernardinho não deu chances à Rússia e devolveu a derrota na final olímpica de Londres, há quatro anos. Em 1 hora e 23 minutos de jogo, o Brasil ganhou o primeiro set por 25 a 21, o segundo por 25 a 20 e o terceiro por 25 a 17.

Wallace foi decisivo e Lucarelli, mesmo ainda se recuperando, foi importante na recepção. Lipe, que superou uma contração muscular na lombar, fez uma excelente partida.

Com a vitória sobre a Rússia, o lídero Serginho, mais experiente e líder da equipe, disputa agora sua quarta final olímpica, contra a Itália, no domingo, às 13h15.

Edição: Fábio Massalli

Agência Brasil

 

agosto 20, 2016 Posted by | esportes | , , , | Deixe um comentário

Alison e Bruno conseguem quinta medalha de ouro do Brasil

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil
Alison e Bruno vencem italianos e conquistam quinto ouro para o Brasil
Alison e Bruno vencem italianos por 2 sets a 0Reuters/Adrees Latif/Direitos Reservados

Em um jogo impecável, a dupla de vôlei de praia Alison e Bruno Schmidt conquistou hoje (19) a quinta medalha de ouro para o Brasil na Rio 2016. Sem dar chances para os italianos Nicolai e Lupo, os brasileiros venceram por 2 sets a 0 em 45 minutos de jogo.

Sob chuva, os italianos começaram um pouco melhor a partida, chegando a abrir quatro pontos de vantagem. Com bloqueios espetaculares de Alison e defesas incríveis de Bruno, os brasileiros viraram o jogo e fecharam o primeiro set por 21 a 19.

Mais equilibrado, o segundo set começou a ser decido depois do 14º ponto, quando os brasileiros empataram, passaram a frente e fecharam o jogo por 21 a 17.

Com a medalha do vôlei de praia, o Brasil sobe quatro posições no quadro geral de medalhas, ficando na 13ª colocação, com cinco ouros, cinco pratas e cinco bronzes, em um total de quinze medalhas. 

Edição: Fábio Massalli

Agência Brasil

Vela consegue quarta medalha de ouro

agosto 19, 2016 Posted by | esportes | , , , , , | 1 Comentário

Martine Grael e kahena kunze conquistam o quarto ouro para o país

Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil
Martine Grael e Kahena Kunze
Martine Grael e Kahena KunzeReuters/Benoit Tessier/Direitos Reservados 

As brasileiras Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram o ouro na classe 49er FX da vela. Após dez regatas, elas chegaram à regata da medalha em segundo lugar na classificação geral, mas conseguiram garantir o lugar mais alto do pódio quando terminaram em primeiro a última regata de hoje (18).

Matine é filha de Torben Grael, que conquistou cinco medalhas olímpicas. Formando dupla com Kahena, ela foi campeã mundial em 2014 e prata nos Jogos Pan-Americanos 2015 na classe 49er FX. Elas fazem sua estreia em olimpíadas no Rio.

A prata ficou com as neozelandensas Alex Maloney e Molly Meech e o bronze com Jena Hansen e Katja Steen Salskov-Iversen, da Dinamarca.

Olimpíadas 2.016

Olimpíadas 2.016

Mais cedo, Ana Luiza Barbachan e Fernanda Oliveira chegaram em quarto lugar na última regata da classe 470. Com o resultado, elas terminaram em oitavo lugar na classificação geral.

Esse foi o segundo melhor resultado das velejadoras nesses jogos; nas dez primeiras regatas, elas não passaram do quinto lugar, exceto na regata 5, quando alcançaram o segundo melhor tempo. Entretanto, isso não foi suficiente para conquistar uma medalha na classe 470.

A Grã-Bretanha ficou com a medalha de ouro, a Nova Zelândia com a prata e a França levou o bronze.

Na vela, os atletas devem completar um número específico de voltas no menor tempo. O percurso é determinado por boias. As competições de vela são divididas em uma série de regatas e os atletas acumulam pontos de acordo com a colocação em cada uma delas; a última é a regata da medalha.

Este foi o último dia das provas da vela nos Jogos Olímpicos do Rio. A medalha conquistada hoje na classe 49er FX feminino foi a única do Brasil na modalidade.

Edição: Carolina Pimentel

Boxe brasileiro consegue a terceira medalha de ouro do país

agosto 18, 2016 Posted by | esportes | , , , , | 1 Comentário

Agatha e Bárbara disputam final no vôlei de praia

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil
A dupla brasileira de vôlei de praia Agatha e Bárbara venceu as norte-americanas por 2 x 0
A dupla brasileira  Agatha e Bárbara venceu as norte-americanas por 2 x 0Reuters/Adrees Latif/Direitos Reservados

A dupla brasileira de vôlei de praia Agatha e Bárbara não tomou conhecimento da tricampeã olímpica, a norte-americana Kerri Walsh – que faz dupla com Ross –, e venceu hoje (17) a semifinal. Elas vão disputar o ouro na Rio 2016. Atropelando o favoritismo das americanas, Agatha e Bárbara venceram o jogo por 2 a 0, em 58 minutos de jogo.

As norte-americanas estavam invictas na competição e haviam perdido apenas um set, ainda na fase de grupos. Agatha e Bárbara tinham uma derrota. Com um jogo praticamente perfeito e conseguindo anular o jogo de Walsh, a dupla brasileira venceu o primeiro set por 22 a 20, em 25 minutos.

Olimpíadas 2.016

Olimpíadas 2.016

Consistentes, as brasileiras não deram chances para as adversárias e impuseram 21 a 18 sobre as americanas no segundo set. As brasileiras voltam à quadra ainda hoje, às 23h59, contra as alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst, na briga pelo ouro. É a primeira vez que uma dupla europeia chega à final olímpica do vôlei de praia feminino. A outra dupla brasileira, Larissa e Talita, enfrentam, às 22h, a dupla norte-americana valendo a medalha de bronze.

Edição: Fábio Massalli

Agência Brasil

Brasil disputa mais uma final na canoagem

 

agosto 17, 2016 Posted by | esportes | , , , , , | Deixe um comentário

Futebol masculino disputa o ouro na final

Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil

 

2Brasil vence Honduras e vai para final do futebol masculino
Brasil vence Honduras e vai para final do futebol masculinoReuters/Leonhard Foeger/Direitos Reservados

Com placar final de 6 a 0, a seleção brasileira masculina de futebol venceu hoje (17) o time de Honduras e vai disputar a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

A partida levantou o Maracanã, com direito a gol relâmpago de Neymar, dois gols de Gabriel Jesus e um pênalti já nos acréscimos do segundo tempo. Marquinhos e Luan também pontuaram um gol cada.

A disputa pela medalha de ouro será no próximo sábado (20), às 17h30, também no Maracanã. O adversário da seleção brasileira será definido ainda hoje, na partida entre Alemanha e Nigéria.

Edição: Carolina Pimentel

agosto 17, 2016 Posted by | esportes | , , , , | Deixe um comentário

Olimpíadas 2.016 – Boxe brasileiro é ouro

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil
Robson Conceição ganha o primeiro ouro para o boxe do Brasil
Robson Conceição ganha o primeiro ouro para o boxe do BrasilReuters/Peter Cziborra/Direitos Reservados

O brasileiro Robson Conceição fez história e conquistou hoje (16) a primeira medalha de ouro do boxe brasileiro em olimpíadas e o terceiro ouro do Brasil na Rio 2016. Por decisão unânime dos juízes, o lutador baiano derrotou o francês Sofiane Oumiha.

Relaxado na luta, Conceição não deu chances para o francês e levou a torcida presente no Pavilhão 6 do Riocentro ao delírio. Antes mesmo do fim da luta, os torcedores já gritavam “é campeão”.

No primeiro round, os três juízes deram a vitória ao brasileiro. No segundo, dois dos três árbitros deram 10 a 9 para Conceição, mesmo resultado do terceiro e último round.

Agência Brasil

Brasil ganha primeiro ouro nas Olimpíadas 2.016

Thiago Silva ganha ouro nas Olimpíadas 2.016

 

agosto 16, 2016 Posted by | esportes | , , , , | 1 Comentário

Thiago Silva ganha ouro no salto com vara

Da Agência Brasil
Thiago Silva conquista ouro e bate recorde olímpico no salto com vara
Thiago Silva conquista ouro e bate recorde olímpico no salto com vara. Reuters/Gonzalo Fuentes/Direitos Reservados

O brasileiro Thiago Braz da Silva, 22, conquitou a medalha de ouro e bateu o recorde olímpico no salto com vara masculino em uma emocionante disputa contra Renaud Laevilleni na final da prova. A prova atrasou em função da chuva no Estádio Olímpio Newton Santos e a final terminou às 23h55.

Thiago e Laevilleni empataram com 5,93 metros para chegarem à disputa do ouro. Na disputa do ouro, Laeville conseguiu 5,98 m e o brasileiro o superou com 6,03 m. O francês fez seu último salto tentando superar Thiago saltando para 6,08 em sua última tentativa, mas não conseguiu e ficou com a prata.

Edição: Fábio Massalli

agosto 16, 2016 Posted by | esportes | , , , , , | 1 Comentário

Alisom e Bruno avançam para as semifinais

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil
Volei de praia do Brasil chega às quartas de final
A dupla brasileira Alison e Bruno vence os americanos e chega à semifinal  no vôlei de praiaReuters/Adress Larif/Direitos Reservados

A dupla brasileira Alison e Bruno Schmidt venceu hoje (15) os norte-americanos Dalhausser e Lucena por 2 a 1 e avançaram para a semifinal de vôlei de praia da Olimpíada Rio 2016.

Empurrados pela torcida brasileira que lotou a Arena de Vôlei montada nas areias de Copacabana, Alison e Bruno venceram o primeiro set por 21 a 14, em 18 minutos. Os norte-americanos reagiram e conseguiram levar a partida para o tie-break, vencendo o segundo set por 21 a 12.

Olimpíadas 2.016

Olimpíadas 2.016

Salvando bolas incríveis, a dupla brasileira conseguiu abrir vantagem no placar noset decisivo e fechou com um 15 a 9. Campeões do mundo em 2015, Alison e Bruno Schmidt chegam às semifinais com quatro vitórias, e uma derrota.

No jogo que pode levá-los à final olímpica, os brasileiros enfrentarão os vencedores do duelo holandês entre Reinder Nummerdor e Christiaan Varenhorst e Alexander Brouwer e Robert Meeuwsen.

Edição: Armando Cardoso
 

agosto 15, 2016 Posted by | esportes | , , , , | Deixe um comentário

Brasil faz dobradinha na ginástica

Olimpíadas 2.016

Olimpíadas 2.016

Se for verdade que é mais fácil competir em casa, e parece que é, vários atletas perderam a concentração como se a  competição fosse apenas um treino, Até a poderosa equipe americana de ginástica parecia afetada pelo fator psicológico.

Os americanos conseguiram as melhores  pontuações nas classificatórias, por isso, ver os dois com desempenho baixo na final, foi muito estranho. A equipe feminina do Brasil que tinha se classificado em quarto, também teve um rendimento menor na final.

Diego Hipólito teve um bom  desempenho e não ficou satisfeito com a nota, até porque os americanos apresentavam notas bem superiores na fase de classificação.  A nota de Diego foi 15.553 e garantiu a prata.

Mas como Olimpíada sempre surpreende, Arthur Mariano, que não surpreendeu tanto assim, já que era finalista, conseguiu uma nota tão boa quanto Hipólito, Nory conseguiu 15.433 e ficou com bronze.

Com o mal desempenho dos americanos, os brasileiros só foram superados pelo britânico Max Whitlock que obteve 15.633.

Isso quer dizer que tanto Nory quanto Hipólito ficaram muito próximos da medalha de ouro.

Mas fazer uma dobradinha não é para qualquer equipe, não, esse é um momento histórico para o Brasil na ginástica artística.

By Jânio

Brasil ganha primeira medalha

Olimpíadas 2.016 – O primeiro ouro

 

agosto 14, 2016 Posted by | esportes | , , , , | Deixe um comentário

Rafaela ganha primeiro ouro no judô

agosto 8, 2016 Posted by | esportes | , , , , , , | Deixe um comentário

Ginasta francês quebra a perna

agosto 7, 2016 Posted by | esportes | , , , , | Deixe um comentário

Michel Temer é blindado de maior vexame da história

Flávia Villela – Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, homenageia o professor Robson Gracie, um dos pioneiros e principais responsáveis pelo desenvolvimento do estilo de arte marcial Jiu Jitsu no Brasil na Casa Bra
Rio de Janeiro – O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, em evento para a promoção do jiu-jítsu no BrasilTomaz Silva/Agência Brasil

As vaias ao presidente interino, Michel Temer, na cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio de Janeiro foram isoladas e não vão prejudicar a imagem do Brasil no exterior, segundo o ministro do esporte, Leonardo Picciani: “Houve vaias e aplausos, a participação do presidente não durou 30 segundos em uma cerimônia de quatro horas e não houve clima de hostilidade”.

O ministro também elogiou a cerimônia de abertura. “A abertura ontem foi extraordinária, à altura das melhores já realizadas em todas as edições dos Jogos Olímpicos, mostrando a capacidade do Brasil de, desde o começo do evento, cumprir bem com suas tarefas”, disse ele neste sábado (6) ao participar de uma campanha de divulgação do jiu-jítsu, na Casa Brasil, na zona portuária da cidade.

Picciani fez um balanço positivo do evento até o momento e também elogiou a abertura da prova de ciclismo de estrada, que presenciou na zona oeste do Rio de Janeiro. “O ciclismo de estrada hoje pela manhã começou no horário, tudo transcorreu com perfeição, as pessoas curtindo por toda a cidade. Creio que começamos com o pé direito e iremos assim até o final”, declarou.

Às 18h, o ministro participa, também na Casa Brasil, do ritual Huka-Huka e o Bem Viver Indígena. A proposta é, durante as Olimpíadas, resgatar, celebrar e divulgar as culturas dos povos tradicionais, como os Kuikuro, do Parque Nacional do Xingu, em Mato Grosso.

*Acompanhe os destaques deste sábado dos Jogos Olímpicos Rio 2016

*Saiba como são as modalidades disputadas na Rio 2016

Edição: Denise Griesinger

agosto 6, 2016 Posted by | esportes | , , , , | Deixe um comentário

Olimpíadas 2.016 – Brasil ganha primeira medalha

Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil
Felipe Wu comemora a medalha de prata na prova de pistola de ar 10 metros
Rio de Janeiro – Felipe Wu comemora a medalha de prata na prova de pistola de ar 10 metrosValdrin Xhemaj/Agênci Lusa/Direitos Reservados

O tiro esportivo, modalidade que rendeu a primeira medalha do Brasil em Olimpíadas, deu aos brasileiros também a sua primeira nos Jogos Olímpicos Rio 2016 para Felipe Wu, que ficou com a prata na final da prova de pistola de ar 10 metros.

Wu, que chegou aos Jogos como número um do ranking mundial, superou o chinês Wei Pang, que terminou com o bronze. O vietnamita XuanVinh Hoang conquistou o ouro, na prova disputada no Centro Olímpico de Tiro, no Parque de Deodoro.

A primeira medalha do Brasil em Olimpíada foi conquistada no tiro esportivo por Afrânio da Costa nos Jogos Olímpicos de 1920, na Bélgica.

Edição: Lílian Beraldo

agosto 6, 2016 Posted by | esportes | , , , , , | 1 Comentário

Un espejo de los peores males de Latinoamérica

Obras sin terminar, corrupción, violencia y conflictividad social son la antesala de la competencia olímpica en Río de Janeiro.

Ricardo Moraes Reuters

AddThis Sharing Buttons

3720

El 5 de agosto comenzarán los Juegos Olímpicos 2016 en la ciudad de Río de Janeiro. Será la primera vez que esta milenaria competencia se dispute en Sudamérica. Sin embargo el escenario social, político y económico del país anfitrión no es el mejor.

Infraestructura y limpieza a medias

La Villa Olímpica fue abierta esta semana y la mitad de sus edificios (son 31 en total) están sin terminar. Ante esto el comité organizador debió poner 600 obreros a trabajar las 24 horas del día para tratar de tener todo listo antes del comienzo de los juegos.

Stoyan NenovReuters

Esta obra fue llevada a cabo por la constructora Odebrecht, la más grande Brasil y una de las mayores del mundo, que está implicada en los casos de corrupción relacionados con la estatal Petrobras. De hecho, su presidente fue condenado a 19 años de prisión por estos hechos.

Otro trabajo inconcluso es la limpieza de las aguas residuales y basura que contaminan la Bahía de Guanabara y otras playas de Río donde habrá competencias de vela y nado. Esto sucede a pesar de que se han destinado miles de millones de dólares para los Juegos Olímpicos. Sin embargo el alcalde de la ciudad, Eduardo Paes, se justificó señalando que los problemas de polución en esa zona no son “un tema olímpico”.

Ricardo Moraes Reuters

Violencia policial

Uno de los aspectos más resaltados por distintas organizaciones sociales y políticas ha sido el incremento de la militarización de Río de Janeiro además de otros puntos del país. Se han desplegado solo en Río 70.000 efectivos de distintas fuerzas (policía militar, ejército, marina, aeronáutica).

Hay “un aumento considerable de la violencia”, explicó a RT Gerardo Gamarra, periodista del portal en inglés The Dawn que refleja las luchas populares de América Latina. Según detalló, “con el planteo de ‘pacificar’ las favelas militarizaron Río de Janeiro y desalojaron alrededor de 65.000 familias”.

Ricardo Moraes Reuters

“Está aumentando también la violencia policial hacia la juventud”, destacó el periodista. En opinión del informador, desde el Mundial de fútbol de 2014 a la actualidad “se calcula que hay un incremento del 20% de violencia de parte de las fuerzas de seguridad”.

Por su parte, la ONG Human Rights Watch señaló en un reciente informe que solo en 2015 la Policía de Río acabó con la vida de 645 personas. “La criminalidad violenta es un problema muy real en Río; sin embargo, ejecutar a presuntos delincuentes no es la solución”, observó Maria Laura Canineu, directora para Brasil de la organización. “Estas ejecuciones provocan que las comunidades se vuelvan en contra de la policía y empeoran la seguridad de todos, añadió.

Adriano MachadoReuters

¿En qué se gasta el presupuesto?

Como suele suceder ante estos grandes eventos deportivos (así sucedió también con el Mundial 2014) un punto de debate es por qué se gasta tanto dinero en estos cuando la población sufre por la falta de servicios básicos.

“El gobierno está con muchas dificultades para pagar los salarios de los empleados públicos y para sostener los presupuestos de salud y educación”, relató Gamarra. Pero a pesar de ello han realizado “una inversión de miles de millones de dólares en la organización que incluso se ha ampliado respecto a lo que era la propuesta original”.

Sergio Moraes Reuters

Por su parte el analista internacional Leandro Morgenfeld cuestionó que “hace un año y medio que Brasil está en una fortísima recesión pero gastaron solo en Río 12.000 millones de dólares”.

Finalmente, Gamarra aseguró que el argumento de las autoridades es que los Juegos Olímpicos “no representan un gasto tan importante porque un 43% del presupuesto salió de las asociaciones público-privadas”. Pero en realidad el resultado es que “el Estado queda como gerente de las inversiones de las empresas privadas”.

Amenaza terrorista y expulsión social

“Los últimos atentados que hubo en el mundo, en las recientes semanas, redoblaron el temor a un posible atentado en este acontecimiento que concentra toda la atención”, comentó Morgenfeld a RT. Al respecto, detalló que la semana pasada “detuvieron una supuesta célula de militantes musulmanes” pero al poco tiempo “el mismo juez que los detuvo dijo que no se los podía acusar de terrorismo porque eran más bien amateurs”. De todas formas el investigador explicó que si bien “no hay nada cierto” tampoco se puede descartar “que haya algún atentado”.

“La militarización no tiene que ver con este proceso sino que es algo que comenzó en 2012/2013”, aseveró Moregenfeld en relación al despliegue de las fuerzas de seguridad. Comenzó con “la gran especulación inmobiliaria que se produjo en Río a partir del anuncio de la Copa de las Confederaciones, el Mundial de Fútbol y los Juegos Olímpicos”, recordó.

Ricardo MoraesReuters

“Ocurrió entonces un proceso que se suele dar en las grandes metrópolis que es el de la gentrificación”, añadió el especialista. Asimismo subrayó que subió tanto el precio de los alquileres “que se expulsó a los sectores medios hacia la periferia y a los sectores más vulnerables aún más lejos”. Así es como se da “un proceso de limpieza de la población que, con la excusa de la lucha contra la inseguridad, se profundiza” con la llegada de los Juegos Olímpicos.

Para terminar, Moregenfeld afirmó que todo está atravesado por la crisis política. “La gestión del presidente interino Michel Temer es rechazada incluso por quienes estaban en contra de Rousseff. Tiene una intención de voto de un dígito”, explicó. El analista internacional se preguntó quién será capaz de capitalizar los Juegos Olímpicos. “El dictamen del Senado sobre el juicio contra Dilma Rousseff se iba a conocer durante los juegos y sigilosamente decidieron postergarlo para después. Por eso creo que el gobierno de Temer va a intentar capitalizar la competencia para tratar de fortalecerse”, concluyó.

Santiago Mayor

RT-TV

 

julho 29, 2016 Posted by | Espanhol | , , , | Deixe um comentário

Austrália considera vila olímpica inabitável

Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil

rio2016_banner

Problemas hidráulicos, elétricos e nas instalações de gás foram alegados pelo Comitê Olímpico Australiano para se recusar a hospedar seus atletas na Vila Olímpica, aberta neste domingo (24) pelo Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 para as delegações esportivas nacionais e estrangeiras.

De acordo com nota divulgada pelo Comitê Olímpico Australiano, as instalações reservadas a seus atletas estavam “inabitáveis”.

O diretor de Comunicação do Comitê Rio 2016, Mário Andrada, disse à Agência Brasil que o comitê australiano divulgou comunicado alertando que ainda havia “problemas de construção” e que, por isso, os atletas só voltarão ao local “quando tudo estiver resolvido. Então, vai demorar mais uns dois dias”.

Segundo Andrada, não houve mais problema com outras delegações. A Grã-Bretanha, por exemplo, não mudou de planos. “A equipe já está aqui, esperando pelos seus atletas.”

A expectativa de Andrada é que, ainda hoje, cheguem à Vila Olímpica em torno de 600 atletas.

A Vila Olímpica foi entregue pelo prefeito Eduardo Paes ao Comitê Rio 2016 no último dia 15 de junho. Ela é composta por 17 prédios de 31 andares, totaliza 3.604 apartamentos e tem capacidade para receber quase 18 mil atletas e membros de equipes técnicas durante os jogos.

Edição: Nádia Franco

julho 24, 2016 Posted by | esportes, Política | , , | Deixe um comentário

Voleibol feminino ganha terceiro ouro brasileiro

campeãs olímpicas

Medalha de Ouro

Voleibol – Essa é a boa notícia. A medalha de ouro no voleibol feminino, parecia ser a mais difícil, assim como nas últimas olimpíadas, quando o Brasil ganhou o ouro.

No primeiro set, o Brasil estava irreconhecível e foi massacrado pelo time americano que parecia imbatível. No segundo set o jogo mudou, pela primeira vez em uma olimpíada, eu vi como uma equipe forte pode se abater quando joga atrás no marcador.

O time americano sentiu a pressão a partir do segundo set e só deu Brasil até o final. José Roberto demonstrou ser um técnico capaz de fazer a diferença – foi uma vitória tática.

A mesma tática que deu a medalha de ouro para o voleibol feminino, tirou a medalha de ouro no masculino. O voleibol masculino já havia ganhado dois sets e estava com três pontos na frente dos russos, no terceiro set, e foi a mudança tática que deixou o Brasil irreconhecível, sem esboçar nenhuma reação até o final da partida.

Futebol – Apesar dos números serem contra o Brasil no futebol masculino, os mexicanos haviam ganho seis das dez partidas, eu acreditei no futebol brasileiro. Infelizmente, não basta acreditar, é preciso jogar.

Levar um gol aos vinte e oito segundos, numa partida tão equilibrada como foi Brasil e México, foi o início do fim.

A entrada do Hulk mostrou como a escamação estava errada, foi dele o único gol brasileiro da partida, tarde demais para empatar e provocar uma prorrogação do jogo.

Boxe – Esquiva Falcão não levou o ouro e parecia muito cansado, mas foi o juiz seu grande algoz. A punição do Juiz deixou o brasileiro com um ponto a menos no placar.

No último round da luta, o adversário de falcão não estava conseguindo se manter em pé, mesmo assim, ganhou a medalha de ouro por pontos.

Voleibol de praia – No voleibol de praia, os favoritos Emanuel e Alison não conseguiram forçar as bolas em cima dos adversários que venceram, provocando uma zebra inconveniente para o Brasil.

Analisando no geral, o Brasil teve uma boa participação no voleibol de praia e quadra, conseguiu quatro das seis medalhas possíveis – difícil é aguentar o gostinho dos ouros que o Brasil poderia ter ganho.

As finais foram frustrantes e mostraram um Brasil com perfil de derrotado. Das cinco finais, o Brasil só venceu uma, vinte por cento de aproveitamento, o que é muito pouco.

Considerando-se todas as categorias em que o Brasil é respeitado no mundo inteiro, inclusive ganhando mundiais e primeiros lugares de rankings, as olimpíadas passam uma impressão de clube fechado, com jogos de cartas marcadas.

Qualquer pessoa que tenha acompanhado as últimas olímpíadas, deve ter notado que a Grã-Bretanha conseguiu mais ouros que o normal. Seguindo essa lógica, o Brasil poderia conseguir pelo menos dez medalhas de ouro no Rio, em 2.016.

Devemos agradecer a Ricardo Teixeira e a Globo, pelas vaias recebidas no futebol masculino e pela péssima arbitragem que não deixaram nossos atacantes jogarem. Essa partida pode ter ajudado a detonar um pouco mais a carreira de Neymar.

Na história do futebol brasileiro, a maioria dos grandes atacantes leves, não tiveram uma carreira brilhante. Foi assim com Palhinha, Ronaldinho, Robinho, Neymar e Bebeto.

A grande vantagem de Bebeto é que ele tinha a seu lado um jogador malandro que sabia como jogar contra o Juiz, Romário.

Três medalhas de ouro mostram uma média que os organizadores de Olímpíadas reservaram para o Brasil, não é um número pequeno em relação a outros países do ranking, muito menos em relação a outras participações do Brasil.

O grande dragão agora é a China que tem ameaçado a supremacia americana nas olimpíadas. Os americanos se mantiveram no topo, graças ao atletismo.

A Jamaica é insuperável nas provas de velocidade, no atletismo, mas primeiro, segundo e terceiro, ninguém esperava. Melhor que isso, só a família olimpíca, Falcão, que conseguiu dois medalhistas em uma única olimpíada.

By Jânio

Brasil ganha segunda medalha de ouro

Sarah Menezes ganha primeiro ouro brasileiro

agosto 12, 2012 Posted by | esportes | , , , , , , , , , | 2 Comentários

Brasil ganha segunda medalha de ouro em londres

medalha de ouro

Arthur Sanetti

Num país cheio de contradições, parece natural que nossa passagem pelas olimpíadas seja contraditória. Enquanto nossos atletas favoritos ao ouro, são eliminados das competições, boas surpresas surgem.

A primeira medalha de ouro brasileira, com Sarah Menezes, foi mais que merecida. O Brasil tem bons atletas e o judô brasileiro é considerado um dos melhores do mundo, mesmo quando não consegue nenhuma medalha de ouro.

Hoje, quando eu vi os obstáculos do hipismo, caindo sozinhos, enquanto o cavalo do brasileiro parecia irreconhecível, lembrei-me do filme de James Bond.

A ficção não me preocupa tanto quanto a realidade, quando Rodrigo pessoa recebeu sua medalha, anos depois de ganhá-la; o dispositivo eletrônico que se negava a reconhecer a medalha de prata de Gustavo Borges; a estúpida, suspeita e polêmica interrupção da maratona de Wanderlei Cordeiro de Lima. É difícil não observar que os atletas brasileiros que foram campeões mundiais, tiveram participações insignificantes em olimpíadas.

As olimpíadas parecem um evento aberto à participação de todos, mas com um clube fechado privilegiando alguns países, especialmente os anfitriões.

Se fôssemos falar só do futebol brasileiro em olimpíadas, já daria para escrever uma enciclopédia. Os pentacampeões nem sabem o que é o sabor de uma medalha de ouro.

Por isso, hoje, a medalha ganha por Arthur Zanetti teve um valor especial, mil vezes maior que o real. A rigidez dos juízes da ginástica foi favorável ao Brasileiro Zanetti, que não só executou exercícios perfeitos, como conseguiu surpreender até a si mesmo.

O Brasil chegou a sonhar com a medalha de ouro, quando Daiene dos Santos era a favorita, ou enquanto Diego Hypolito transformava os ginastas brasileiros em celebridades respeitáveis no mundo inteiro, mas nas olimpiadas…

Fora esses dois gigantes da ginástica, os torcedores brasileiros eram humildes em sonhar com pelo menos uma medalha de bronze, tanto no geral individual, quanto nas próprias argolas, onde o Brasileiro já vinha se destacando. Eu, pessoalmente, preferi torcer sem pretensões.

Essa medalha de ouro nas argolas, é a medalha de ouro que esperamos do Diego e da Daiane, medalha que demorou mas que finalmente veio.

Enquanto isso, o Brasil continua sofrendo onde é favorito, no vôlei de praia. Perdeu, até essa segunda-feira, duas de suas quatro duplas que almejavam as duas cobiçadas medalhas de ouro.

Emanuel pode ter estátuas na Itália, Suíça e Inglaterra, mas parece que os adversários não estão respeitando a sua reputação de lenda desse esporte. A dupla conseguiu se classificar para as semifinais, quase com uma final antecipada, numa partida duríssima.

No boxe feminino, depois de mais de quarenta anos, uma mulher, Adriana Araújo, reascende o sonho de ganharmos uma medalha de ouro – é, porque o bronze ela já garantiu. Outro bronze, no boxe, foi garantido por esquiva Falcão, de uma tradicional família de boxeadores.

Inusitada foi a rodada de basquete masculino, onde a Espanha supostamente entregaria o jogo para o Brasil para escapar dos americanos, foi o que aconteceu. Apesar de vencer o jogo, o Brasil deverá jogar contra a Argentina e EUA.

Competir está deixando de ser tão importante para os sofridos atletas brasileiros, agora eles querem mais, querem vencer. Competir passou a ser uma grande perda de tempo, afinal as olimpíadas são jogos para ganhar ou perder e quem está a fim de perder?

By Jânio

Sarah Menezes ganha primeiro ouro em Londres

agosto 7, 2012 Posted by | esportes | , , , , , , | 3 Comentários

Sarah Menezes ganha o primeiro ouro brasileiro

campeã do mundo

Melhor do Mundo

Nunca na história desse país, os brasileiros conseguiram um início de Olimpíadas tão forte.

Primeiro dia de finais e o Brasil conseguiu a façanha de ficar em terceiro lugar em medalhas de ouro, empatado com EUA, Coréia do Sul, Austrália, Cazaquistão e Rússia. Por enquanto só oito países conseguiram medalhas de ouro, dos catorze países medalhistas.

No total de medalhas, o Brasil começou bem também e está em quarto, empatado com a Coréia do Sul.

Ainda é cedo para fazer previsões, já que potências como a Alemanha nem apareceram, mas essa medalha da Sarah é muito importante, tirou um peso das costas dos atletas.

No primeiro dia, as meninas do futebol iniciaram sua participação atropelando a equipe de camarões, 5×0. No segundo dia, o time sentiu a realidade de uma Olimpíada e venceu a Nova Zelândia no sufoco, por um a zero.

Inspirados pelo futebol feminino, os meninos repetiram a boa fase no primeiro tempo, contra o time do Egito, mas por pouco não entregam o jogo no segundo tempo. No segundo tempo o time do Egito reagiu, fazendo dois, final, 3×0.

O melhor desse início de Olimpíadas, em Londres, ficou com o judô. Sarah Menezes que foi buscar a tão sonhada, e sofrida, medalha de ouro, tornando-se heroína entre os heróis e heroínas brasileiros.

Com sorriso de menina, essa jovem de 22 anos já se tornou um dos nomes mais comentados do mundo. Basta fazer uma pesquisa na internet para ver como ela é conhecida.

Sarah saiu do Piauí para vencer a campeã olímpica, a Romena Alina Dimitru, categoria ligeiro, até 48 kg. Finalmente, depois de vinte anos, o judô volta ter um lugar especial na história das olimpíadas, não que alguém tenha esquecido.

O judô brasileiro sempre foi respeitado no mundo inteiro e mesmo tendo salvo várias campanhas brasileiras, teve dificuldades em olimpíadas.

Junto com a vela, sempre foi uma grande esperança, num país onde a infraestrutura sempre deixa a desejar. A vela sofre ainda mais, já que o equipamento é mais caro.

Além de Sarah, o judô conseguiu também um bronze, com kitadai, num início de campanha glorioso.

Olimpíadas é assim mesmo, grandes heróis tropeçam e outros saem consagrados. Foi o caso de Felipe frança que acabou não tendo um bom desempenho na natação, enquanto o veterano Thiago Pereira conseguiu superar a lenda Phelps e conquistar a medalha de prata, tornando-se o segundo melhor da história nos 400 metros medley.

Já no início de competições, o Brasil se iguala a outras grandes campanhas, inclusive superando a última campanha de Sydney, quando o Brasil conseguiu várias medalhas mas não conseguiu subir no degrau mais alto do pódio.

MEDALHAS DE OURO

1º – China 4

2º – Itália 2

3º – Estados Unidos 1

4º – Brasil 1

5º – Coréia do Sul 1

6º – Austrália 1

7º – Cazaquistão 1

8º – Rússia 1

TOTAL

1º – China 6

2º – Itália 5

3º – Estados Unidos 5

4º – Brasil 3

5º – Coréia do Sul 3

6º – Austrália 1

7º – Cazaquistão 1

8º – Rússia 1

By Jânio

julho 29, 2012 Posted by | esportes | , , , , , , , , , | 6 Comentários

   

Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

Marca Livro

A arte de criar histórias em prosa ou verso

bastet - protetora dos gatos

todos os animais merecem o céu e os gatos principalmente

Blog CIN 5018

Informatização de Unidades de Informação

The Promise Carrier

Ebrael's official website in English.

detudosobretudoblog

Este site vai aborda todos os temas voltado para as mulheres

Letícia Giacometti Ribeiro

O diário de uma estudante de Jornalismo

Caminho Alternativo

Geopolítica, atualidades e opinião

Escrita em Foto

Colunas, textos, fotografias; a vida de alguém que busca mais do que apenas viver.

%d blogueiros gostam disto: