Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

A experiência

filme de extraterrestre

Natasha Henstridge

Hoje vamos iniciar uma série de filmes com extraterrestres. Nessa série, não concluiremos filmes de comédia, como “Marte Ataca”, nem de aventura, como Super-Man – Vai dizer que você não sabia que Super-Man era extraterrestre?

Também não incluiremos filmes como “Guerra nas Estrelas” ou “Jornada nas Estrelas”, o foco será voltado para a conspiração, metáfora da própria sociedade e a paranoia americana.

O primeiro filme da série é “Species”, um filme comercial tecnicamente perfeito, com bons efeitos e cenas bem construídas de suspense.

Wikipedia: “Species: Cientistas enviam mensagens para o espaço e recebem de volta uma sequência de DNA e instruções sobre como devem combiná-la”.

Eu achei interessante essa sinopse acima, isso porque eu me lembro de todo o filme, mas não me lembro dessa parte.

Roger Donaldson é um dos melhores diretores da década de 80, uma década onde o roteiro era mais importante que as cenas de ação. Isso não quer dizer que o filme não tenha muita cenas de ação, essa é a especialidade do diretor.

Como a criatura cresce muito rapidamente, isso serve de pretexto para Donaldson transformar o filme numa série de sequências de tirar o fogo.

Quem conhece o estilo do diretor, sabe da qualidade de suas histórias.

Nesse filme, a criatura precisa se reproduzir, mesmo sendo caçada por uma equipe especializada, fazendo a caça virar caçador.

Esse filme gerou outras sequências sem a mesma qualidade, exceto pela beleza estonteante da atriz principal, a mesma que trabalhou em uma produção da família de Bruno Barreto, aquela história que virou a série “Riacho Doce” na tv.

Apesar de o filme não ser nenhuma obra-prima, é um bom filme comercial e prende a atenção, inclusive pela beleza de Natasha Henstridge e Michelle Williams, que faz a criatura em fase adolescente, é ainda mais bela, e era ainda desconhecida, ao contrário dos outros atores principais.

A facilidade com que Donaldson domina o estilo policial, é aproveitada nesse filme. Donaldson dá uma aula de como funciona o serviço de segurança de um país desenvolvido.

Três equipes foram encarregadas dos efeitos especiais: Boss Film Studios, The Truly Dangerous Company e XFX Images.

Apesar da competência de Donaldson, a autoria do filme, de certa forma é de Dennis Feldman, afinal, ele produziu e escreveu o roteiro.

Como sempre acontece no cinema de qualidade, implicitamente, há conflitos éticos enfrentados pelas personagens.

Elenco:

Ben Kingsley – Xavier Fitch

Michael Madsen – Preston Lennox

Alfred Molina – Dr. Stephen Arden

Forest Whitaker – Dan Smithson

Natasha Henstridge – Sil

Marg Helgenberger – Dra. Laura Baker

Michelle Williams – Jovem Sil

Shirley Prestia – Dra. Roth

Herta Ware – Sra. Morris

Species:

Espécie Mortal – Portugal

A Experiência – Brasil

Estados Unidos

1995 • cor • 108 min

Produção:

Direção – Roger Donaldson

Roteiro – Dennis Feldman

Elenco original:

Ben Kingsley

Michael Madsen

Alfred Molina

Forest Whitaker

Natasha Henstridge

Género – ficção científica

Idioma original – inglês

Fonte: Species+Wikipedia

Texto: By Jânio

abril 7, 2011 Posted by | Cinema | , , , , , , , | 4 Comentários

Encontrado animal estranho no canadá

animais raros

animais curiosos

monstruoso ou diferente

descoberta rara

Duas enfermeiras encontraram uma criatura estranha numa reserva indígena isolada do Canadá.

O cachorro que acompanhava as enfermeiras começou a latir e arrastou o pequeno animal de cerca de 30 centímetros de comprimento.

Achando que o animal era comum na região, as enfermeiras tiraram algumas fotos e foram embora, quando constataram ser uma espécie rara, voltaram ao local mas não encontraram mais nada.

Qualquer pessoa que veja as fotos, fica assustada, o animal tem aparência estranha, quase um monstro para os nossos padrões de aparência. Os índios canadenses não pensam assim, eles dizem que o estranho animal não é visto a cerca de quarenta anos, mas não é tão estranho assim, muito menos monstro, como as pessoas estão chamando.

O nome do animal, segundo os nativos, seria Omajinaakoos, ou the Ugly One (o feio ou a feia) em inglês e português respectivamente.

O animal, segundo a cultura indígena, seria um mal presságio, um sinal de que algo ruim está para acontecer.

Imagem : Wikipedia

Texto: By Jânio

maio 22, 2010 Posted by | curiosidades | , , , , , , , | 21 Comentários

O monstro de Brasília levanta uma grande questão. Monstro?

O lado negro

Estranhos desejos

Um caso de polícia, em Brasília, expõe um problema social crônico do Brasil, ou melhor vários.

O “monstro” pedófilo levanta uma questão: Seria um caso de psicose, pedofilia ou seu caso deveria ser tratado como crime comum?

Esse “monstro” foi preso por pedofilia, cumpriu quatro anos de prisão e foi liberado, sendo diagnosticado como mentalmente são. Depois de sair da prisão, verificou-se que o homem não estava tão normal assim.

Casos como esse, sempre nos trazem a memória a história de Jack “o estripador”, onde há suspeita, inclusive, de que o famoso psicopata pertenceria à família real. Evidentemente que um escândalo, como esse, não poderia vir à público em hipótese alguma, chegando às proporções que chegou.

No Brasil, o caso mais curioso foi, se eu não me engano, “Bandido da Luz Vermelha”, um criminoso que assaltava as residências e estuprava suas vítimas.

Depois de preso, por pressão da mídia, recusou-se a hipótese que o homem era louco, como consequência, ele cumpriu toda sua pena, durante longos anos, em seguida, antes de ser solto, chegou-se a conclusão de que ele não tinha condições de sair às ruas.

O problema é que aceitar o fato de que o preso era louco, seria confessar um erro da justiça, podendo haver indenização da vítima. Sendo solto, o “louco” foi para Santa Catarina, na casa de parentes que também não o aceitavam; foi morto depois de brigar com pescadores, deixando a justiça em paz com a sua consciência.

Há um conflito de interesses aqui, um bandido é um marginal, portanto abaixo da linha de pobreza. Se um marginal começa a ter direitos, isso não é bom para um sistema burguês, onde o pobre não tem direitos.

Em Brasília, o caso não foi diferente, o homem que deveria ir para um sanatório, foi preso, cumpriu uma pena irrisória, quando em um sanatório sua pena seria muito maior, ou por toda sua vida, caso sua doença fosse comprovadamente crônica.

Quem foi que disse que o estado está preocupado com o que acontece com o povo? – Quanto menos tempo o estado ficar responsável por uma pessoa, mais dinheiro sobra no caixa, esse sim interessa aos políticos.

Não temos estrutura carcerária para manter nossos presos na cadeia por muito tempo, mesmo assim mantemos os presos errados, os cabeças, causa do caos no Brasil, não ficam mais de alguns meses, como foi o caso de José Roberto Arruda e Paulo Maluf. Sarney nem processado foi, o pedido de CPI foi arquivado.

Ficou comprovado o caso de pedofilia, e, pelo menos nesse caso, não será possível negar que a pedofilia esta acompanhada de uma doença. Também não será fácil negar que há vários níveis de psicose, alguns doentes não tem cura e precisam permanecer reclusos o resto da vida.

Também não dá para aplicar a pena de morte, pelos vários motivos já observados por vários comentaristas, em outros posts sobre o tema.

Qualquer pessoa que conheça um pouquinho de história, saberá que houve, no passado, sociedades inteiras que foram controladas por regimes fascistas, onde toda a população seria condenada a morte, a república romana é um exemplo disso, considerada quase perfeita, pelo tempo que durou, mas que seria, toda a sociedade, condenada a morte, pelas atrocidades que cometeram contra os cristãos e outros povos.

Mesmo recentemente, temos muitos exemplos de sistemas caóticos e até o sistema americano é suspeito de forjar motivos para suas guerras sujas.

Portanto, a solução não é tão simples como a pena de morte. Não se pode cometer crimes e suicidar-se, como Adolf Hitler, escapando das responsabilidades, se bem que isso já estaria acontecendo no Brasil, se as leis fossem rígidas.

Quando Maquiavel desafiou o sistema, em busca de uma nora Roma, onde o povo estaria unido, desobedeceu princípios de lógica, em nome desse sonho. Idéias, consideradas ultrapassadas, vieram a tona, na mente de Maquiavel.

Num ponto ele estava certo, a natureza do homem é má, pelo menos é isso o que prova o julgamento a que foi submetido.

No caso Isabella Nardoni, nem fiquei fora das críticas – E se fosse sua filha infeliz? – então é isso, as pessoas estão se colocando no lugar das vítimas, criando um problema à justiça.

By Jânio

abril 15, 2010 Posted by | Reflexões | , , , , , , | 4 Comentários

   

Karmas e DNA.

Direitos autorais: Fernanda vaz.

Academia New Star Fitness

A fine WordPress.com site

Gramofone Lunar

Músicas, Versos e Outras Histórias

baconostropicos

Documentário "Baco nos Trópicos"

relutante

leve contraste do sentimentalismo honorário

entregue a solidão

é oque me resta falar e oque me sobra sentir

RB Solutions

Soluções em informática, comunicação e tecnologia

Bora' para Ireland

Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

sarahrosalie

A topnotch WordPress.com site

Suburban Wars

"Let's go for a drive, and see the town tonight"

Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

%d blogueiros gostam disto: