Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

Maria – Blondie

Anos 80

Anos 80

She moves like she don’t care
Smooth as silk, cool as air
Ooh, it makes you wanna cry

She doesn’t know your name
And your heart beats like a subway train
Ooh, it makes you wanna die

Ooh, don’t you wanna take her
Ooh, wanna make her all your own

Maria, you’ve gotta see her
Go insane and out of your mind
Latina, Ave Maria
A million and one candle lights

I’ve seen this thing before
In my best friend and the boy next door
Fool for love and full of fire

Won’t come in from the rain
She’s oceans running down the drain
Blue as ice and desire

Don’t you wanna make her
Ooh, don’t you wanna take her home

Maria, you’ve gotta see her
Go insane and out of your mind
Latina, Ave Maria
A million and one candle lights

Ooh, don’t you wanna break her
Ooh, don’t you wanna take her home

She walks like she don’t care
You wanna take her everywhere
Ooh, it makes you wanna cry

She’s like a millionaire
Walkin’ on imported air
Ooh, it makes you wanna die

Maria, you’ve gotta see her
Go insane and out of your mind
Latina, Ave Maria
A million and one candle lights

Tradução

Ela se move como se não ligasse
Suave como seda, fresca como o ar
Ooh, dá vontade de chorar

Ela nem sabe seu nome
E o seu coração bate rápido como o metrô
Ooh, dá vontade de morrer

Ooh, você não quer levá-la?
Ooh, não quer que ela seja sua?

Maria você tem que vê-la
Enlouquecer e perder a cabeça
Latina, Ave Maria
Um milhão e uma velas acesas

Eu já vi isso acontecer antes
Com meu melhor amigo e com o vizinho do lado
Tolo apaixonado e queimando por dentro

Não sairá da chuva
Ela é oceanos descendo pelo ralo
Azul como gelo e desejo

Você não quer possuí-la?
Ooh, não quer levá-la para casa?

Maria, você tem que vê-la
Enlouquecer e perder a cabeça
Latina, Ave Maria
Um milhão e uma velas acesas

Ooh, você não quer possuí-la?
Ooh, não quer levá-la para casa?

Ela anda como se não ligasse
Dá vontade de levá-la para todo lugar
Ooh, dá vontade de chorar

Ela é como uma milionária
Andando sob ar importado
Ooh, dá vontade de morrer

Maria, você tem que vê-la
Enlouquecer e perder a cabeça
Regina, Ave Maria
Um milhão e uma velas acesas

letras.mus.br

video clip em inglês

video clipe legendado

Mais músicas

She drives me crazy – Fine Young Cannibals

Maria Magdalena – Sandra

 

maio 14, 2016 Posted by | Música. | , , , , | 1 Comentário

Sandra – I’ll never be (Maria Magdalena)

ritmo de boate

Maria Magdalena

You take my love, you want my soul
I would be crazy to share your life
Why can’t you see what I’m
Sharpen your senses and drawn the knife
Hold me and you’ll understand

I’ll never be Maria Magdalena
(You’re a creature of the night)
Maria Magdalena
(You’re a victim of the fight, you need love)
Promise me delight
(You need love)

Why must I lie, find alibis
When will you wake up and realize I can’t surrender to you
Play for affection and win the prize
I know these party games too

Tradução:

Você tirou meu amor
Você quer minha alma
Eu seria louca a dividir sua vida
Por que não vê quem eu sou?
Aguçe os sentidos e puxe a faca
Abrace-me e você compreenderá

Eu nunca serei Maria Madalena
(Você é a criatura da noite)
Maria Madalena
(Você é a vítima da luta)
(Você precisa de amor)
Prometa-me loucuras
(Você precisa de amor)

Por que eu deveria mentir
Encontre um motivo
Quando você acordar e perceber
Eu não consigo resistir a você
Jogue por afeição e ganhe o prêmio
Eu conheço esses jogos também

letras.mus.br

video clip legendado

video clip em inglês

Mais músicas

If wishes came true – Sweet Sensation

All out of love

 

maio 2, 2016 Posted by | Música. | , , , , , , | 1 Comentário

Maria a judia

Descobertas Antigas

Descobertas Antigas

Maria, a Judia ou Maria, a Profetisa, é uma antiga filósofa grega e famosa alquimista que viveu no Egipto por volta do ano 273 a.C..

Alguns a situam na época de Aristóteles(384–322 a.C.), uma vez que a concepção aristotélica dos quatro elementos formadores do mundo (o fogo, o ar, a terra e a água) condiz bastante com as idéias alquimistas de Maria, como o axioma de Maria: «o Um torna-se Dois, o Dois torna-se Três, e do terceiro nasce o Um como Quatro». Segundo Aristóteles, o enxofre era considerado a expressão do elemento fogo, e Maria o tomou como base para os principais processos que estudou. Ela menciona o enxofre em frases sempre misteriosas, como «uma pedra que não é pedra» e «tão comum que ninguém a consegue identificar». Maria conta que Deus lhe revelou uma maneira de calcinar cobre com enxofre para produzir ouro. Esse enxofre era obtido do disulfeto de arsênico, que é achado em minas de ouro. Talvez tenha sido essa a origem da lenda da transformação de metais menos nobres em ouro.

Dentre as invenções de Maria estão o kerotakis, uma espécie de barril fechado e o banho de vapor : para um aquecimento lento e gradual dos experimentos, em vez de manipular as substâncias diretamente no fogo, ela descobriu que era possível controlar melhor a temperatura se fosse por meio da água – que até hoje chamamos debanho-maria.1 Para além disso dois equipamentos de destilação(alambique), com duas ou três saídas para destilados — o dibikos e otribikos — e um aparelho para sublimação, sendo-lhe ainda atribuída a descoberta do ácido clorídrico. A maior parte das suas escrituras foram conservadas por Zósimo de Panópolis (300 d.C.).

Trabalhos

Escrituras

Sabe-se que Maria escreveu vários textos sobre alquimia. Embora nenhum de seus escritos ter sobrevivido em sua forma original, os seus ensinamentos foram amplamente citados por autores posteriores herméticos. Seu trabalho principal sobrevivente é um extrato feito por um anônimo filósofo cristão, chamado O Diálogo de Maria e Aros sobre o Magistério de Hermes, em que são descritas e nomeadas operações que seriam mais tarde a base da Alquimia, leucose (branqueamento) e xanthosis (amarelecimento). Uma foi feita por moagem e do outro por calcinação. Este trabalho descreve pela primeira vez um sal de ácido e outros ácidos que podem ser identificados com ácido acético. Há também várias receitas para fazer ouro, até mesmo de vegetais de raiz como o Mandragora.4 Vários enigmáticos preceitos alquímicos têm sido atribuídas a Maria. Ela supostamente disse da união dos opostos:

Junta-te à um macho e uma fêmea e encontrarás o que buscas

Esta outra vem do Axiom de Maria

Um se torna dois. Dois se tornam três. E por fora do terceiro vem aquele que se torna quarto.

Tribikos

Maria aperfeiçoou a câmara de destilação de três braços. O tribikos era uma espécie de alambique com três braços que foi utilizado para obter as substâncias purificadas por destilação. Ninguém sabe ao certo se Maria, a Judia foi sua inventora, mas Zósimo credita que a primeira descrição deste instrumento para ela. Em seus escritos (citado por Zósimo), ela recomenda que o cobre ou bronze utilizados para criar os tubos sejam da espessura de uma frigideira, e a junção entre estes tubos deve ainda ser selada com farinha de colar na cabeça 6

Kerotakis

O kerotakis é a invenção mais importante de Maria, a Judia, um dispositivo usado para aquecer substâncias utilizadas na alquimia e recolher os vapores. É um recipiente hermético com uma folha de cobre suspensa no topo. Quando funciona corretamente, todas as articulações são no vácuo apertado. O uso de tais recipientes fechados nas artes herméticas levaram ao termo “hermeticamente fechada”7 . Maria judia e seus colegas acreditavam que a reação que teve lugar no kerotakis mística era uma reconstituição do processo de formação do ouro que acontecia nas entranhas da terra. Mais tarde, este instrumento foi modificado pelo alemão Franz von Soxhlet em 1879 para criar o extrator que leva seu nome, Soxhlet.

Fonte: Wikipedia

Você também pode gostar de:

Seria Nostradamus um farsante

Celebridades ligadas às ciências ocultas

A evolução do ser humano

Tecnologias do Paquistão

 

julho 14, 2015 Posted by | Ciências | , , , , | 1 Comentário

Maria Quitéria

Mulheres na História

Mulher Guerreira

Maria Quitéria de Jesus (Feira de Santana, 27 de julho de 1792 — Salvador, 21 de agosto de 1853) foi uma militar brasileira, heroína da Guerra da Independência. Chamada de “Joana d’Arc brasileira”, é a patronesse do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro.

Maria Quitéria nasceu no sítio do Licurizeiro (Syagrus coronata), uma pequena propriedade no Arraial de São José das Itapororocas, na comarca de Nossa Senhora do Rosário do Porto de Cachoeira, atual município de Feira de Santana no estado da Bahia. A data mais aceita pelos pesquisadores para o seu nascimento é a de 1792. Foi a filha primogênita dos portugueses nascidos na colónia do Brasil Gonçalo Alves de Almeida e Quitéria Maria de Jesus.

Maria Quitéria encontrava-se noiva quando, entre 1821 e 1822, iniciaram-se na Província da Bahia as agitações contra o domínio de Portugal. Em Janeiro de 1822 transferiram-se para Salvador as tropas portuguesas, sob o comando do Governador das Armas Inácio Luís Madeira de Melo, registrando-se em fevereiro o martírio de Soror Joana Angélica, no Convento da Lapa, naquela Capital.

Em 25 de junho, a Câmara Municipal da vila de Cachoeira aclamou o príncipe-regente D. Pedro como “Regente Perpétuo” do Brasil. Por essa razão, em julho, uma canhoneira portuguesa, fundeada na barra do rio Paraguaçu, alvejou Cachoeira, reduto dos independistas baianos. A 6 de setembro, instalou-se na vila o Conselho Interino do Governo da Província, que defendia o movimento pró-independência da Bahia ativamente, enviando emissários a toda a Província em busca de adesões, recursos e voluntários para formação de um “Exército Libertador”.

Tendo o velho Gonçalo, viúvo, sem filho varão, se escusado a colaborar, para a sua surpresa, a filha Maria Quitéria, pediu-lhe autorização para se alistar. Tendo o pedido negado pelo pai, fugiu, dirigindo-se a casa de sua meia-irmã, Teresa Maria, casada com José Cordeiro de Medeiros e, com o auxílio de ambos, cortou os cabelos. Vestindo-se como um homem, dirigiu-se à vila de Cachoeira, onde se alistou sob o nome de Medeiros, no Regimento de Artilharia, onde permaneceu até ser descoberta pelo pai, duas semanas mais tarde.

Defendida pelo Major José Antônio da Silva Castro (avô do poeta Castro Alves), comandante do Batalhão dos Voluntários do Príncipe (popularmente apelidado de “Batalhão dos Periquitos”, devido aos punhos e gola de cor verde de seu uniforme), foi incorporada a esta tropa, em virtude de sua facilidade no manejo das armas e de sua reconhecida disciplina militar. Aqui, ao seu uniforme, foi acrescentado um saiote à escocesa.

A 29 de outubro seguiu com o seu Batalhão para participar da defesa da ilha de Maré e, logo depois, para Conceição, Pituba e Itapoã, integrando a Primeira Divisão de Direita. Em fevereiro de 1823, participou com bravura do combate da Pituba, quando atacou uma trincheira inimiga, onde fez vários prisioneiros portugueses (dois, segundo alguns autores), escoltando-os, sozinha, ao acampamento.

Em 31 de março, no posto de Cadete, recebeu, por ordem do Conselho Interino da Província, uma espada e seus acessórios.

Finalmente, a 2 de julho de 1823, quando o “Exército Libertador” entrou em triunfo na cidade do Salvador, Maria Quitéria foi saudada e homenageada pela população em festa. O governo da Província dera-lhe o direito de portar espada. Na condição de Cadete, envergava uniforme de cor azul, com saiote por ela elaborado, além de capacete com penacho.

Por seus atos de bravura em combate, o General Pedro Labatut, enviado por D. Pedro para o comando geral da resistência, conferiu-lhe as honras de 1º Cadete.

No dia 20 de agosto foi recebida no Rio de Janeiro pelo Imperador em pessoa, que a condecorou com a Imperial Ordem do Cruzeiro, no grau de Cavaleiro, com seguinte pronunciamento:

“Querendo conceder a D. Maria Quitéria de Jesus o distintivo que assinala os Serviços Militares que com denodo raro, entre as mais do seu sexo, prestara à Causa da Independência deste Império, na porfiosa restauração da Capital da Bahia, hei de permitir-lhe o uso da insígnia de Cavaleiro da Ordem Imperial do Cruzeiro”.

Além da comenda, foi promovida a Alferes de Linha, posto em que se reformou, tendo aproveitado a ocasião para pedir ao Imperador uma carta solicitando ao pai que a perdoasse por sua desobediência.

Perdoada pelo pai, Maria Quitéria casou-se com o lavrador Gabriel Pereira de Brito, o antigo namorado, com quem teve uma filha, Luísa Maria da Conceição.

Viúva, mudou-se para Feira de Santana em 1835, onde tentou receber a parte que lhe cabia na herança pelo falecimento do pai no ano anterior. Desistindo do inventário, devido à morosidade da Justiça, mudou-se com a filha para Salvador, nas imediações de onde veio a falecer aos 61 anos de idade, quase cega, no anonimato.

Os seus restos mortais estão sepultados na Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento e Sant’Ana, no bairro de Nazaré em Salvador.

Fonte: Wikipedia

Presidentes do Brasil

A mulher que desafiou o império romano

julho 23, 2013 Posted by | Política | , , , , | 1 Comentário

   

Karmas e DNA.

Direitos autorais: Fernanda vaz.

Academia New Star Fitness

A fine WordPress.com site

Gramofone Lunar

Músicas, Versos e Outras Histórias

baconostropicos

Documentário "Baco nos Trópicos"

relutante

leve contraste do sentimentalismo honorário

entregue a solidão

é oque me resta falar e oque me sobra sentir

RB Solutions

Soluções em informática, comunicação e tecnologia

Bora' para Ireland

Smile! You’re at the best WordPress.com site ever

sarahrosalie

A topnotch WordPress.com site

Suburban Wars

"Let's go for a drive, and see the town tonight"

Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

%d blogueiros gostam disto: