Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

Celebridades que morreram aos vinte e sete anos

morte aos 27 anos

Clube dos 27

Olhando a lista abaixo, a gente fica arrepiado com a lista de pessoas que morreram aos vinte e sete anos.

Eu acredito que o final dos anos sessenta e início dos anos setenta foi muito triste, nessa época o rock sofreu suas maiores perdas. Nessa lista estão apenas as pessoas que morreram com vinte e sete anos, mas morreram muito mais.

É inevitável também, a relação entre o rock e as drogas. No Brasil, as drogas ainda são um tabu, por isso costuma-se atribuir ao álcool e ao cigarro, as causas das mortes, isso sem falar que a elite não permite esse tipo de divulgação.

O ano de 1.994 foi macabro, tanto Kurt Kobain, quanto Kristen Ptaff eram muito próximos, mesmo assim a morte de um não foi suficiente para alertar o outro.

Em todos esses casos, notamos a liberdade exagerada que as celebridades tem, o motivo certamente deve ser o dinheiro.

Todas essas celebridades viviam no limite, o que já seria motivo de sobra para o risco de morte.

Brian Jones, por exemplo, acabou com sua carreira. Nem os amigos próximos suportavam suas manias, isolado, mergulhava fundo nas drogas.

Dezenas de anos depois, descobriu-se que fora assassinado, mas por que encobriram o escândalo?

Vinte sete anos não é uma idade comum para conflitos psicológicos, não para as pessoas normais, mas quem disse que as estrelas são pessoas normais?

Muitas vezes, a própria inspiração de um artista vem desse inconformismo, as drogas só ajudam a derrubar de vez uma mente atormentada.

Desde 1.994, não havia uma perda tão grande. A morte de Amy Winehouse voltou a assombrar e a chocar, vinte e sete anos, mas quem se importa?

A situação pode se complicar, quando uma cantora famosa tem alta de um hospital e depois tem uma recaída, morrendo em seguida, é assustador.

Muitas perguntas e uma só resposta: Drogas.

Os anos que abalaram o mundo:

Amy Winehouse – 2.011

Kurt Kobain (Nirvana) – 1.994

Jimmy Hendrix – 1.970

Jim Morrison (The Doors) – 1971

Janis Joplin – 1.970

Robert Johson – 1.938

Peter Ham (Bad Finger) – 1.947

Kristen Ptaff (Hole) – 1.994

Pete de Freitas (Echo and the Bunnymen) – 1.989

Brian Jones (Rolling Stones) – 1.969

Chris Bell (Big Star) – 1.978

…e todos morreram aos vinte e sete anos…

Fonte: Wikipedia

By Jânio

Anúncios

julho 25, 2011 - Posted by | Música. | , , , , ,

11 Comentários »

  1. […] * Publicado no MadeInBlog […]

    Pingback por Ver! | Blog | Celebridades que morreram aos vinte e sete anos | julho 25, 2011 | Resposta

  2. Quando se fala dos artistas que morreram aos vinte e sete anos, sempre são lembrados os nomes do Jim Morrison, da Janes Joplin, do Kurt Cobain, do Jimmy Hendrix e agora o da Any Winehouse. E simplesmente esquecemos de lembrar o maior de todos: William Pete Ham, líder da Banda Badfinger, um grupo de Rock Clássico do tempo dos Beatles, para mim superior à Banda mais conhecida do planeta. Pete Ham foi autor de clássicos como No Matter What, Without You, Name of The Game, Timeless, Baby Blue e tantas outras músicas. O líder se suicidou porque o empresário da Banda roubou toda o dinheiro e sumiu, deixando o grupo sem dinheiro e o líder da Banda sem dinheiro, desesperado e deprimido, porque, de certa forma, Pete dava apoio ao empresário. Pete compôs mais de 100 canções, sendo que a maioria delas, são composições extraordinárias, como I’kiss you goodnight, Keyhole Street, Midnight Caller. Muitas dessas canções foram descobertas por seu biografo, Dan Mantovina. Trata-se de canções extraordinárias. Coisas que só um gênio pode fazer. Pete Ham dá de 10 a zero em Paul Maartney, Ringo e John Lennon juntos. Como é possível desconhecermos a existência de um gênio. A mídia que informa é a mesma que deixa de nos mostrar a vida do genial shakesperiano que não chegou a viver 28 anos. Uma vida e uma obra extraordinárias, fantásticas, marcante que é desconhecida da maioria da população e que vale a pena ser conhecida e apreciada. Simplesmente um gênio.

    Comentário por Sergio Luiz Fernandes | novembro 20, 2011 | Resposta

    • Olá Sérgio:

      Depois de ler seu texto, vai ser difícil um amante da boa música não ter a curiosidade de conhecer o trabalho de Pete Ham.

      Obrigado por compartilhar essas informações conosco, aliás, a década de 60 é assim cheia de grandes gênios.

      ABS

      Comentário por icommercepage | novembro 20, 2011 | Resposta

  3. Eu ouvi umas dez músicas desse Pete Ham e ainda prefiro os Beatles, John Lennon, Nirvana e The Carpenters (dos internacionais) como referência de boa música (letra e melodia) e ídolos. Acho que gosto para música cada um tem o seu. As músicas de Pete Ham são excelentes, mas para mim não são melhores que as dos Beatles, mas de qualquer forma obrigado por apresentá-lo, vou procurar mais desses artistas que nunca ouvi falar, quem sabe aumento o minha coleção de boas músicas já que atualmente está difícil de encontrar um cantor ou banda com músicas decentes. (será que os artistas ficam com medo de criar boas músicas sempre para não morrerem aos 27 anos? Observe que de um álbum uma ou duas músicas são boas e o resto uma ****, mistério, rsrsrsrsrs).

    Comentário por Andreus Bastos (@AndreusBastos) | março 18, 2012 | Resposta

    • Olá Andreus:

      A maldição dos 999=27 assusta qualquer um, apesar de ser superstição, qualquer pessoa com sensibilidade assustaria.

      Os anos 60 são a raiz da música rebelde, não é não?

      Cada cantor ou banda dessa época tinha um estilo, a música experimental era muito forte, o gosto era requintado.

      Atualmente os artistas aderiram ao popular e a vaidade fala sempre mais alto, esquecem-se que não é a quantidade que conta, é a qualidade. Se uma banda acerta uma música, com uma qualidade irretocável, pode até surgir um novo ritmo por causa dela.

      Atualmente a música perdeu espaço para as manifestações, estilos, tendências, modismo, etc.

      ABS

      Comentário por icommercepage | março 18, 2012 | Resposta

  4. Pete Ham se suicidou faltando três dias para completar 28 anos. Em geral quase ninguém faz nada até essa idade. Pete Ham criou um mundo musical extraordinário. São mais de 100 canções. Algumas de suas preciosidades foram compostas antes dos 20 anos, como Keyhole Street, I’ll Kiss You Goodnight. Recentemente apareceu na INTERNET uma canção de Pete, de nome John Forgot do Sing, que ninguém conhecia. A música tem um estilo Gospel, o que revela que Pete transitou por vários estilos. Trata-se de um estilo clássico. Devemos ver esta banda dentro do contexto da época. O que chama a atenção e que os caras desta banda foram conquistando espaço na raça. Foram muitas as dificuldades e elas acabaram abraviando a curta carreira de um dos maiores grupos musicais de todos os tempos. Para mim, William Pete Ham é para a música o que Shakespeare foi para a Literatura. Pura genialidade.

    Comentário por Sergio Luiz Fernandes | outubro 23, 2012 | Resposta

    • Olá Sérgio:

      Muito bom seu comentário.

      Sem dúvida, quem gosta de música deve conferir de perto esses clássicos.

      ABS

      Comentário por icommercepage | outubro 24, 2012 | Resposta

  5. Com um pouco da desglamurização dos Beatles, que segundo John Lennon, eram mais famosos que Jesus Cristo, vem à tona a importância da Banda Badfinger, mas especialmente de suas duas principais estrelas: William Pete Ham e Tommy Evans que são os dois autores da música Without You que fez um estrondoso sucesso na interpretação de Harry Nilson na década de 70 e de Mariah Carey nos anos 90. Pete e Tommy se suicidaram em 1975 e 1983, respectivamente. O fato de ser uma “Banda apadrinhada pelos Beatles” segundo o entendimento de muitas pessoas, resultou numa importância menor do Badfinger e seus integrantes. Com a descoberta de Dan Matovina, Biógrafo do Grupo, de inúmeras canções de Pete, compostas ainda em sua adolescência e as muitas homenagens que estão sendo prestadas na cidade natal dele e no próprio cemitério onde o artista mítico está sepultado, a verdade está vindo a tona.. O trabalho de Dan Matovina é simplesmente espetacular, e se não fosse ele, iríamos acreditar por longo tempo que Pete era um eterno apadrinhado da Banda famosa. Pete tinha luz própria e que luz! Felizmente a história está fazendo justiça ao músico inigualável. No tempo do auge de Paul Mccartney, John Lennon, George Harrison e Ringo Star, músicos ou Banda ligados aos Beatles dificilmente conseguiam vida própria. Seria impossível ameaçar a superioridade dos “Deuses do Rock”. O próprio George Harrison teve inúmeras dificuldades para incluir suas músicas no catálogo Beatleniano. Com o achado de tantas composições, Pete começa a virar o jogo e revelar aos fãs, ao público em geral quem era verdadeiramente “ o cara” daquele período. Coitado do Pete. O cara era um gênio da música e não teve seu enorme talento reconhecido na época. Quem é o culpado por isso? Pete Ham compôs cerca de 140, 150 canções, muitas delas verdadeiras preciosidades, e o surpreendente é que ele não chegou a viver 28 anos. E tocava piano e guitarra magistralmente, era um cantor diferenciado, mas, sobretudo compunha letras e canções como ninguém. Este é o diferencial. Embora um fã como eu diga de peito aberto que qualquer coisa que Pete produzisse era única e inigualável. Um Shakespeare da música.

    Alguns artistas precisam de toda uma vida para mostrar seu talento. Os menos de 28 anos de vida foram mais que suficientes para que o incomparável músico revelasse a dimensão da sua arte. Na placa que homenageia Pete Ham está escrito: Mestre da melodia. Eu acrescentaria: Gênio da música, Gênio da arte, Gênio da vida.

    Sérgio Luiz Fernandes

    Comentário por Sérgio Luiz Fernandes | julho 15, 2013 | Resposta

    • Olá Sérgio:

      Maravilhoso relato e homenagem a este artista extraordinário.

      A década de sessenta mostra talentos que os amantes da música desconhecem nos dias de hoje, até por isso a importância de seu relato. Mesmo que tardiamente, precisamos fazer justiça ao talento, precisamos mostrar ao mundo quem de fato é merecedor de nossas homenagens.

      ABS

      Comentário por icommercepage | julho 16, 2013 | Resposta

  6. As músicas compostas por William Pete Ham, quando ele tinha entre 19 e 20 anos (em 1966/67) e descobertas recentemente por seu biógrafo, Dan Matovina, revelam a sensibilidade e a genialidade deste autor fenomenal, um músico sem igual em todos os tempos. Essas canções foram descartadas à época por não constituírem os sucessos exigidos pela indústria fonográfica. E são elas, mais que os seus grandes hits que, igualmente extraordinários, dão o tamanho da criatividade e a impressionante versatilidade deste músico, muito mais interessante que qualquer um dos quatro Beatles, capaz de impressionar qualquer pessoa que gosta de música. Qualquer hora dessas, o Sr Matovina nos brindará com outras canções compostas pelo inesgotável criador aos 21, aos 22 anos. Pete Ham compôs entre quatro e cinco músicas em 1975, ano de sua morte. A impressão que passa é que Pete Ham começou a compor suas canções ainda no ventre de sua mãe. Um músico que, com quatro anos, já ensaiava tocar gaita de boca, deixando seus familiares perplexos pela sua precocidade. Suas criações quase sempre tinham uma história e uma razão para existir. Fez músicas para sua esposa, como Know One Knows it; para suas namoradas, dentre elas, para Dixie, o mega sucesso internacional, Baby Blue (música que apareceu recentemente no seriado Breaking Bad), e a belíssima Catherine Cares, destinada a sua mãe cuja letra revela a preocupação das mães com seus filhos quando saem para as festas, para as ruas. E fez tudo isso com muito talento e criatividade, como tudo que esse mestre da melodia costumava fazer. O incrível Pete Ham sabia que essas canções eram importantes para sua biografia, para sua história e as deixou gravadas em algum lugar, sendo resgatadas e recuperadas pelo seu Biógrafo. Para alegria dos seus milhares de fãs espalhados pelos quatro cantos do planeta. Valeu seu MATOVINA. Você é o cara. Você mostrou ao mundo o gênio musical que foi Pete Ham. Nós, admiradores da obra e da história do genial criador, lhe somos imensamente gratos.

    Comentário por Sérgio Luiz Fernandes | novembro 7, 2013 | Resposta

    • Olá Sérgio:

      Obrigado por compartilhar.

      Vou procurar ouvir mais as músicas dele no Youtube para conhecer

      ABS

      Comentário por icommercepage | novembro 9, 2013 | Resposta


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: