Made in Blog

Política, curiosidades, notícias, entretenimento, blogosfera,

O Contrato Social

primeira republica

República Moderna

“O homem nasceu livre e em toda parte acha-se acorrentado…

Renunciar à sua liberdade é desistir da sua qualidade de homem, dos direitos de liberdade, mesmo de seus deveres…

Tal renúncia é incompatível com a natureza do homem.”

“A alienação total de cada associado com todos os seus direitos á comunidade. Aqueles que se entregam a todos, não se dão à ninguém. Como não existe associado sobre o qual adquiramos os mesmos direitos que lhe concedemos sobre nós, ganharemos o equivalente a tudo o que perdermos, e mais força ainda, para conservarmos o que temos.”

“O Estado, em relação aos seus membros, é senhor de seus bens, graças ao contrato social…

O Estado é juiz da liberdade de cada pessoa. Pode impor uma religião civil, necessária à sociedade, banir os que não creiam nela, condenar a morte os que, depois de aderirem à essa religião, “se portem como se nela não acreditassem”, pois esta atitude constitui uma porta aberta para a arbitrariedade.”

Rousseau.

vejam bem, a democracia não surgiu na época do Iluminismo, Independência dos Estados Unidos ou Maquiavel, Surgiu muito tempo antes.

O princípio básico da democracia, sempre será liberdade, direito, responsabilidade.

“O direito de uma pessoa termina onde começa o direito da outra”. Essa é uma regra implícita, é preciso saber o que a outra pessoa pensa , o que ela sente, enfim, é preciso se colocar no lugar dela.

Em época de Web 2.0, uma pessoa que não conheça estes fundamentos é uma pessoa excluída, socialmente, digitalmente, economicamente…

“Libertas Quae sera tamen.” Essa expressão faz referência ao princípio básico da democracia, não a partir do Iluminismo ou de Maquiavel, mas da República/Império Romano, por sua vez inspirada na democracia da Grécia antiga.

Essa expressão foi traduzida como “Liberdade ainda que tardia”, sua tradução , entretanto, lembra-me uma discussão cordial com uma professora, quando eu disse: “…mas se eu fosse uma criança de seis anos, faria uma tradução literal e inocente: “Libertas que serás também”, ou seja, não mudaria nada.

Considerando a tradução da criança de seis anos, chegamos a conclusão de que os inconfidentes eram, de fato, muito irônicos em sua essência filosófica.

Toda a expressão “Liberdade ainda que tardia”, concentra-se em uma única palavra da expressão latina, “Libertas”. Ao invés de traduzir toda a expressão, os inconfidentes ironizavam, não o Império, mas o próprio povo.

Poderíamos dizer que a tradução é ambígua, ao mesmo tempo em que provocava a monarquia, em latim, incitava o povo: “Já chegará tarde, essa tal liberdade.”

Rousseau faz uso de uma argumentação clássica: “É preciso ser homem” – Ao mesmo tempo, inteligentemente, foge de uma possível armadilha, uma ideia revanchista, ideia revolucionária: Renunciar à sua liberdade é desistir da sua qualidade de homem, dos direitos de liberdade, mesmo de seus deveres…

Rousseau também faz um alerta: “A alienação total de cada associado com todos os seus direitos á comunidade. Aqueles que se entregam a todos, não se dão à ninguém. Como não existe associado sobre o qual adquiramos os mesmos direitos que lhe concedemos sobre nós, ganharemos o equivalente a tudo o que perdermos, e mais força ainda, para conservarmos o que temos.”

Traduzindo: A submissão do cidadão ao sistema, não deve tirar a sua força para crescer, mas acrescentar benefícios ainda maiores. Deve fazer com que sua comunidade cresça diante de seus olhos, motivando-o a continuar lutando para “vencer na vida”, vendo senão a si, aos seus entes queridos entrarem na “Terra prometida”, a qual lhe é de direito, já que lhe fora prometido.

O princípio da ética também é observado claramente: “Aquele que se entrega a todos, não se dá à ninguém”. Nesse caso, o cidadão deve pensar unicamente na sociedade como um todo, deve obedecer, servir, a sociedade, não ao interesse e ideologia do ditador que toma o poder.

Na última linha do texto citado, Rousseau é taxativo. Segundo o seu pensamento, quem não seguir as leis, deve ser banido da sociedade onde imperam essas leis, e vai mais longe, quem aderir a essas leis depois romper com elas, deve ser condenado a morte, pois essas pessoas são o maior perigo para o fim dessa sociedade.

Portanto, vivemos numa anarquia total, desde o momento em que vendemos, ou compramos o voto, até o momento em que nos corrompemos diante das dificuldades, impostas inteligentemente pelo Estado Elitista, através de altas cargas de tributo.

Todos que não vivem na elite, classe média alta, e não aderem a “PPP”, estão definitivamente banidos da sociedade.

Somos escravos, vivemos fora do círculo, sem nenhum dever ou direito.

Sem condições de nos submetermos as regras duras, impostas pelo sistema, somos obrigados a nos prostituir diante da sociedade, Igreja e de nossos próprios ideais.

Na outra ponta, no lado de cima, as regras sociais continuam valendo: “O Estado é juiz da liberdade de cada pessoa. Pode impor uma religião civil, necessária à sociedade, banir os que não creiam nela, condenar a morte os que, depois de aderirem à essa religião, se portem como se nela não acreditassem, pois esta atitude constitui uma porta aberta para a arbitrariedade.”

Qualquer pessoa que ameace as estruturas elitizadas da comunidade do poder, será condenado a morte. Aqueles que não concordarem com ela, deverão permanecer fora, banidos, sem direitos nem obrigações em relação á ela.

Os Estados Unidos foram os primeiros a aderir à evolução de democracia, até agora.

Na França, a principal idealizadora da nova ordem democrática, houve um princípio de mudanças, inspirados na Independência dos Estados Unidos, que por sua vez haviam se inspirado no Iluminismo, sendo apoiados pela França, em sua luta pela independência.

…mas Robespierre tornou-se um sanguinário, condenando a guilhotina todos os que lhe faziam oposição, fazendo muitos inimigos, até o golpe da burguesia.

By Jânio

março 11, 2011 - Posted by | Policia | , , , , , , , , , , , , , , , ,

7 Comentários »

  1. […] renúncia é incompativel com a natureza do homem.” Ver conteúdo completo var act62392 = new […]

    Pingback por O nascimento da democracia moderna « Link Esfera – Rede Social, Notícias e Opinião | março 11, 2011 | Resposta

  2. A democracia teve a sua génese na Antiga Grécia
    O povo reunia-se no Ágora onde decidia livremente todas as medidas a tomar. Quem fosse eleito para a governação só podia exercer o cargo por um ano.
    Agora como é?
    Direitos só temos o de votar,quando lá chegam
    agarram-se ao poder como unhas e dentes.
    É um cheque em branco que lhes passamos
    Roubam-nos, desrespeitam-nos, escravizam-nos, fazem o que querem.

    Abs

    Comentário por emilia | março 11, 2011 | Resposta

    • Olá Emília:

      Obrigado pela informação adicional ao texto, você não imagina o quanto ela é valiosa para nós.

      Aqui, no Brasil, o Governo pode ficar até oito anos, normalmente seu partido perte o apoio nesse tempo, mas os acordões já foram formados, então fica “a farinha toda no mesmo saco”.

      Muita gente reclama da crise, agarrados às suas migalhas de pão, pois é justamente na crise que ocorre as mudanças. Hoje ainda temos uma vantagem, podemos fazer uma revolução/greve geral, sem necessitar da guerra.

      ABS

      Comentário por Janio | março 12, 2011 | Resposta

  3. É por isso que algumas pessoas são demasiadamente ligadas à Religião, pois desprezam que a Terra Prometida tem sua cópia aqui na matéria também. Esse desequilíbrio na balança de prioridades o tornam ainda mais alienados e os levam à revelia da Inconsciência. Uma pessoa livre, deve estendê-la a todos os estratos de sua vida, a si e todos estratos da sociedade ou do mundo que a circunda!

    Abçs!

    Comentário por Ebrael Shaddai | março 12, 2011 | Resposta

    • Olá Ebrael:

      É isso mesmo, o paraíso sempre esteve aqui.

      As parábolas da Bíblica dão pistas da verdade, mas para se chegar até ela, será preciso coragem.

      A citação da inconsciência encaixa como uma luva, a inconsciência mostra muitas verdades, mas mostra de maneira quase metafórica, surgindo, daí, as lendas.

      ABS

      Comentário por icommercepage | março 12, 2011 | Resposta

  4. […] organizações secretas, sendo elitizadas, não tem a força que gostariam de ter na democracia, já que a democracia é um sistema descentralizado. O problema é que as pessoas estão cada vez […]

    Pingback por Um grupo de ossos e caveiras « Made in Blog | maio 19, 2011 | Resposta

  5. […] organizações secretas, sendo elitizadas, não tem a força que gostariam de ter na democracia, já que a democracia é um sistema descentralizado. O problema é que as pessoas estão cada vez […]

    Pingback por Um grupo de ossos e caveiras « 893 | maio 22, 2011 | Resposta


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: