Made in Blog

Divulgação, internet, downloads, blogs, web2.0

Linguagens mentais

biotecnologia

Leitura de Pensamentos

Nós sabemos que a comunicação só será identificada como tal, se alguém emitir uma mensagem e outra pessoa responder a tal mensagem. Seguindo por essa regra básica, identificamos várias formas de comunicação, algumas das quais eu lamento nunca ter tido tempo, interesse e material suficiente para o aprendizado.

A leitura dos lábios, combinada com a linguagem dos sinais; o método de Braille; fumaça; tambor; cordas; símbolos; ideograma; tudo isso são formas interessantes de linguagens e, como conhecemos pouco de nosso passado, desconhecemos o grau de conhecimento das civilizações antigas. Resumindo: Se o homem não tivesse aprendido falar, isso talvez não fizesse tanta falta como poderíamos pensar.

Na realidade, quando mais fácil se tornou a vida, pior ficou a criatividade do ser humano.

Eu até concordaria com a ideia de analistas que afirmam que, sem a fala e a escrita, o ser humano ainda estaria nas cavernas, o problema é que eu tenho minhas dúvidas sobre os supostos humanos pré-históricos, na pele de rudes seres humanos selvagens.

A teoria faz sentido, é claro. Se o ser humano escreve palavras, pensa com as palavras, certamente ele se desenvolverá mais rápido…

… mas isso apenas teoricamente, e também no sentido do desenvolvimento das massas (pessoas), individualmente falando, essas teorias caem por terra.

Cada vez que eu penso, escrevo ou falo sobre as linguagens, novas idéias surgem e torna-se inevitável uma reescrita sobre assunto.

Então, nós supomos que a evolução do homem possa ter se dado através da fala e da escrita, mesmo admitindo que individualmente, algumas pessoas poderiam ter evoluído sem o auxílio desses sistemas. De certa forma, os primeiros registros de escrita e fala, ocorreram já com a existência da sociedade.

Além disso, ainda há sociedades vivendo em cavernas, o que torna o termo caverna uma simples metáfora.

Aqui, nós podemos ultrapassar o limite das ciências e entrar no campo das ciências ocultas, onde a paranormalidade registra alguns casos reais e outros não comprovados.

Nostradamus usa a astrologia a Bíblia, seus conhecimentos e o melhor que a ciência oculta apresentava no momento, para eternizar de vez uma parte da cultura que, de outra forma, já estaria esquecida há muito tempo.

Os nomes mais conhecidos da história voltaram no tempo, para encontrar respostas e evoluir seus conhecimentos. Em alguns casos, como o de Hitler, ele se perdeu em meio a tantos sistemas políticos, científicos, religiosos, antropológicos, etc., em outros, como os casos de Copérnico e Maquiavel, foi possível resgatar verdades que seriam aproveitadas mais tarde, para revolucionar o mundo.

Se pelo menos um ser humano pudesse ler pensamentos, isso poderia mudar completamente o nosso modo de pensar, mas, se de fato isso acontecesse e se os humanos não conhecessem a escrita e a fala, qual seria o resultado. Será que o pensamento teria uma comunicação programada, como a escrita e a fala, ou estaria além do tempo e do espaço, como em nossos sonhos?

Nossos sonhos possuem uma linguagem peculiar e desafia o conceito básico de comunicação, onde uma pessoa fala e outra deve entender, para que se estabeleça de fato tal comunicação. Nos sonhos, podemos ser um ou, em alguns casos, dois, o que abre uma possibilidade infinita de existência virtual, onde poderíamos ser vários – por favor, não façam isso em casa.

Nesse momento, meus amigos, vocês já devem ter entendido que, nos sonhos, podemos virtualmente nos comunicar com nós mesmos.

… e, por falar em linguagem virtual, uma nova técnica de informática tem chamado muito a atenção na internet, a linguagem das tags.

Através das tags, os internautas tem abolido palavras menos importantes na escrita e que podem ser entendidas, subentendidas ou simplesmente ignoradas, sem que isso faça tanta falta. Essa informalidade faz um retrocesso no tempo, e pode resultar em novos sistemas de comunicação.

Lembra muito os ideogramas orientais e a escrita cuneiforme, numa época em que a criatividade era fundamental e valorizada. Enquanto os chineses ignoravam as técnicas de guerra, os arcádios/babilônicos combinavam a cultura e a arte da guerra.

Essa segunda forma não teve muito sucesso, já a primeira, sobreviveu até a chegada de Gengis Khan, um dos homens mais (des)importantes na globalização dos costumes através da guerra.

É na internet também que podemos observar as abreviações e o internetês, e isso é só o começo. Para quem já fez cursos online, ou off-line por DVD, sabe como são infinitas as possibilidades de criação, através da informática.

Os ambientes gráficos, 3D e 4D, poderão demonstrar novos gênios da criação e, quem sabe, revelar-nos a nossa própria, obscura e verdadeira face, fazendo nos conhecer os nossos medos mais íntimos, os mesmos que nem sempre é possível se conhecer através de sonhos lúcidos, pesadelos, psicoterapia, hipnose, etc.

… e, se a natureza do homem é má, chegou a hora de todos saberem, antes que cometamos mais erros imperdoáveis.

By Jânio

dezembro 31, 2011 Posted by | Ciências | , , , , , , , , , | Deixe um comentário

   

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 216 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: